Jornalista da CNN que apareceu na TV vestindo hijab deixa Afeganistão em avião abarrotado e posta fotos

·1 minuto de leitura

A repórter Clarissa Ward, que chamou atenção ao usar "hijab" — tradicional vestimenta feminina islâmica — numa entrada ao vivo na CNN, deixou o Afeganistão. Ela publicou em seu Instagram fotos dentro de um avião abarrotado de pessoas fugindo do país por conta da tomada de poder pelo Talibã.

"Finalmente deixando Cabul. Pensando em todos aqueles que não podem partir, que estão esperando há dias, ou que estão se escondendo em suas casas, com medo de partir", escreveu Clarissa.

Marido e filhos em Londres

Clarissa Ward tem 41 anos e a experiência da cobertura em situações de conflito não é novidade em sua carreira. A repórter da emissora CNN, que entrevistou combatentes do talibã, já esteve na Palestina, em Israel, no Líbano e no Iraque. Na Síria, Clarissa esteve a poucos metros de regiões bombardeadas.

Mesmo presenciando a fuga de diversos jornalistas pelo medo de serem mortos pelos talibãs, Ward se manteve firme na cobertura enquanto seu marido, o alemão Philipp von Bernstorff, cuida dos dois filhos do casal — de 1 e 3 anos — em Londres.

A atuação da jornalista foi comentada até mesmo pelo deputado Eduardo Bolsonaro, que provocou as feministas sobre o uso da vestimenta tradicional pela repórter. No Twitter, Eduardo publicou um print que mostra a correspondente vestindo o "hijab". "Ei, feministas, achei uma causa para vocês aqui", escreveu na legenda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos