Jornalista morta a tiro na Cisjordânia

Uma jornalista foi morta na Cisjordânia, esta quarta-feira, enquanto cobria uma incursão militar israelita no território.

Shireen Abu Akleh, repórter palestiniana conhecida por cobrir há décadas o conflito, trabalhava para o cana Al-Jazeera devidamente identificada quando foi baleada na cabeça.

A cadeia de televisão sediada no Qatar já condenou o homicídio, em comunicado e acusa Israel de ter premeditado o assassinato "a sangue frio", numa "violação do direito internacional".

Outros jornalistas no local ficaram feridos. Relatam que todos os repórteres presentes usavam o equipamento de proteção com identificação visível e tinham passado pelas tropas israelitas para que soubessem que estavam no local.

O primeiro-ministro de Israel já reagiu ao caso, Naftali Bennett diz que as acusações são infundadas e que "há uma grande probabilidade" de a jornalista ter sido morta por fogo palestiniano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos