Jornalista de rádio pública dos EUA 'punida' por fazer perguntas a Pompeo

·1 minuto de leitura
Foto de arquivo do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em Washington, 11 de dezembro de 2020

Uma correspondente da Casa Branca da rádio pública internacional Voice of America (VOA) foi "punida" por tentar questionar o secretário de Estado Mike Pompeo, disseram colegas na terça-feira (12).

Pompeo foi convidado na segunda-feira para fazer um discurso na sede da VOA em Washington no contexto das alegações de que o governo Trump está tentando controlar o canal.

Michael Pack, o presidente da VOA nomeado por Trump, tentou em vão em outubro reverter a regra que o impede de intervir no conteúdo editorial.

Na estação de rádio, Pompeo pediu aos jornalistas que parassem de "denegrir" os Estados Unidos e pediu que promovessem o "excepcionalismo americano".

Ele admitiu que vários jornalistas não queriam que ele falasse, o que considerou uma "perigosa tentativa de censura", enquanto uma carta de "denunciantes" criticava uma tentativa de espalhar "propaganda política nos últimos dias do governo Trump".

Após seu discurso, Pompeo manteve um diálogo amigável sem questões politicamente sensíveis com o diretor da rádio. Em contrapartida, os jornalistas não tinham o direito de fazer perguntas.

A correspondente da VOA na Casa Branca, Patsy Widakuswara, acompanhou a partida de Pompeo e tentou em vão lhe fazer perguntas, especialmente sobre a imagem dos Estados Unidos após o ataque ao Capitólio na semana passada.

A direção então decidiu removê-la da Casa Branca e designá-la para uma posição inferior.

A "punição" de Widakuswara "por ter feito seu trabalho, isto é, fazer perguntas, é uma afronta aos ideais mencionados pelo próprio secretário de Estado Pompeo em seu discurso", disse a Associação de Correspondentes da Casa Branca em um comunicado.

Um porta-voz da VOA se recusou a comentar sobre "questões internas da equipe".

fff/vgr/gm/lda/ap/mvv