Jornalistas são mortos a tiros no Haiti

Dois jornalistas haitianos foram mortos no último domingo enquanto trabalhavam em Porto Príncipe, confirmaram fontes nesta terça-feira, em meio à escalada da violência contra a imprensa na capital.

Tayson Latigue e Frantzsen Charles, que trabalhavam para veículos eletrônicos, foram mortos a tiros em Cité Soleil, cenário de confrontos entre grupos armados há meses.

"Eles faziam parte de um grupo de sete jornalistas que foi até o local para informar sobre os confrontos armados, que causaram, em particular, a morte da adolescente Christelle Delva no último sábado", contou à AFP o jornalista Robest Dimanche, porta-voz do Coletivo Haitiano de Mídia On-Line.

"Os dois jornalistas foram mortos quando voltavam do bairro, onde moram os pais da jovem vítima", acrescentou Dimanche, ao relatar os depoimentos dos jornalistas sobreviventes. "Os bandidos queimaram os corpos."

"Exigimos justiça para o nosso colega", publicou o "FS News Haiti" ao anunciar no Facebook a morte de seu funcionário.

O primeiro-ministro haitiano, Ariel Henry, disse estar profundamente consternado com o assassinato dos dois jornalistas. "Condenamos energicamente esse ato de barbárie", tuitou ontem.

O Haiti enfrenta há anos uma crise política e econômica agravada pelo assassinato do presidente Jovenel Moise em 2021. Os grupos criminosos se beneficiam da impunidade generalizada, e a violência aumentou nos últimos anos.

str/seb/ube/db/lb