Jornalistas são agredidos durante retirada de acampamento bolsonarista

Apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro foram removidos por ordem da Prefeitura de BH

Apoiadora de Jair Bolsonaro em Brasília; jornalistas foram agredidos em acampamento de Minas Gerais (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Apoiadora de Jair Bolsonaro em Brasília; jornalistas foram agredidos em acampamento de Minas Gerais (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
  • Jornalistas foram furtados, um cinegrafista foi empurrado e outro repórter foi cercado e atacado com uma bandeira por bolsonaristas;

  • Agressões foram filmadas e divulgadas nas redes sociais;

  • A PM não teria agido durante as agressões para garantir a integridade dos bolsonaristas e profissionais da imprensa.

Profissionais da imprensa foram alvo de agressões de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) quando atuavam na cobertura da retirada de um acampamento instalado em Belo Horizonte, Minas Gerais. As cenas foram filmadas e divulgadas nas redes sociais.

O episódio ocorreu nesta sexta-feira (6), quando guardas municipais e fiscais desmobilizaram o acampamento em frente ao Comando da 4ª Região Militar, na região Oeste da capital mineira.

De acordo com informações divulgadas pela imprensa local, um repórter da TV Band Minas teve o celular furtado e o material de trabalho danificado. Um cinegrafista foi empurrado e outro jornalista, do portal O Tempo, foi atacado pelos extremistas com uma bandeira.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O grupo ocupava o local há mais de dois meses, desde o fim das eleições e o resultado que deu vitória ao presidente Lula (PT).

Em manifestação antidemocrática, os bolsonaristas buscam um golpe contra o Estado Democrático de Direito que impeça o governo petista e favoreça Bolsonaro.

Segundo informações da Band Minas, a Polícia Militar estava no local no momento das agressões, mas não interveio para garantir a integridade dos bolsonaristas e profissionais da imprensa.

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) demonstrou preocupação com os ataques.

"Infelizmente, 2023 já começou com uma onda de violência contra os profissionais da mídia, com o registro de agressões a equipes de reportagem em pelo menos seis estados", ressaltou a entidade”, apontou a Fenaj, em nota.

Como estão sendo os primeiros dias do governo Lula?