Jornalistas, vítimas de um clima inédito nos EUA

Por Thomas URBAIN
Jornalistas durante manifestação em Chicago no final de abril

Mais de 100 jornalistas foram alvos da polícia ou de manifestantes desde o início dos protestos nos Estados Unidos, como resultado de um clima de desconfiança na mídia incentivado pelo presidente Donald Trump, além de outros fatores menos perceptíveis.

Segundo o site Press Freedom Tracker, mais de 140 jornalistas foram fisicamente agredidos ao longo de uma semana durante os protestos ocasionados pela morte de George Floyd, em sua maioria pela polícia (118), mas também por manifestantes (25).

Isso é mais do que o total registrado nos últimos dois anos, de acordo com o mesmo banco de dados do site.

Ao menos 33 deles foram presos, como Gustavo Martínez Contreras, repórter do jornal local de Nova Jersey, o The Asbury Park Press, e Bridget Bennett, uma fotógrafa independente da AFP situada em Las Vegas, que foi liberada, mas terá que comparecer ao tribunal no final de julho.

Deveria-se "deixar de de forma deliberada os jornalistas que atuam em campo", conforme assinaram 28 associações profissionais em uma carta aberta à polícia.

Balas de borracha, gás lacrimogêneo, cassetetes e escudos foram usados "para atacar (membros da) imprensa como nunca antes na história deste país", denunciam essas organizações.

Em várias cidades ou estados, os legisladores locais se posicionaram contra esses abusos.

Para muitos, esses ataques frequentes são o resultado de um clima alimentado pelo presidente americano, que diariamente acusa a imprensa, na melhor das hipóteses, de mentir e, na pior das hipóteses, de manipular as informações para prejudicá-lo.

"Quando o líder do mundo livre não respeita a imprensa, por que devemos esperar que as pessoas o façam?", Perguntou Tom Jones, do Poynter Media Observatory.

Esses ataques fazem parte de uma tendência crescente de desconfiança em relação à mídia, mais visível nas últimas duas décadas nos Estados Unidos, embora também em outros países.

"Durante anos", afirma Jones, "alertamos que as palavras de Trump iam além da retórica e resultariam em violência".

Os espancamentos por parte dos policiais em vários jornalistas australianos na segunda-feira durante uma rápida evacuação do ambiente da Casa Branca antes da saída de Donald Trump representaram um claro exemplo do que está acontecendo, ressaltaram vários analistas.

"É o que esperaríamos ver na Praça Tahrir (Egito), Praça Maidan (Ucrânia) ou no Teerã, mas não em Washington", escreveu no Twitter Suzanne Nossel, diretora da associação PEN America.

"Felizmente não fomos feridos, mas psicologicamente não é fácil", disse Dan Lampariello, repórter da WBFF-TV, uma emissora local da Fox, que foi perseguida duas vezes por manifestantes no último sábado à noite em Baltimore.

O jornalista voltou ao campo, mas acompanhado por um especialista em segurança e ficou longe da manifestação.

- "Somos testemunhas" -

Por mais de uma década, os canais de notícias cobrem ao vivo os principais eventos e são onipresentes no campo de trabalho. A imagem reina.

A presença de uma câmera pode provocar reações, às vezes agressivas, algo que mais difícil de acontecer quando se trata de jornalistas que atuam na rádio ou da mídia escrita.

A isso soma-se a democratização do smartphone e os avanços tecnológicos que simplificam as transmissões de vídeo.

"Todo mundo filma tudo", diz Patricia Gallagher Newberry, presidente da Sociedade de Jornalistas Profissionais (SPJ).

"Torna-se difícil discernir" um manifestante ou espectador que captura suas próprias imagens de "um jornalista que captura imagens porque esse trata-se do seu trabalho".

Em muitos casos, os jornalistas presos se identificaram verbalmente como tal.

No entanto, "às vezes a polícia não escuta, não se importa ou nem acredita no jornalista, porque qualquer pessoa com uma câmera pode dizer 'eu sou da imprensa' para se aproveitar da situação", analisa Patricia Newberry, que também leciona em uma universidade.