Exilado russo Nikolai Glushkov é encontrado morto em Londres

(Atualiza com nova informação).

Londres, 13 mar (EFE).- O exilado russo Nikolai Glushkov, amigo do falecido empresário Boris Berezovsky, foi encontrado ontem à noite morto em sua casa em Londres, informou a imprensa britânica nesta terça-feira.

Glushkov, de 68 anos e exilado político no Reino Unido, foi achado por familiares e amigos e as causas da morte ainda são desconhecidas, de acordo com o jornal "The Guardian".

A Polícia Metropolitana de Londres informou que, "por precaução", a unidade de combate ao terrorismo assumiu a investigação sobre o caso no distrito de Kingston, no sudoeste da capital britânica.

"A morte está sendo tratada neste momento como inexplicável", afirmou a Polícia em comunicado, destacando que estão sendo tomadas medidas especiais na investigação por causa das "associações que acredita-se que o homem tivesse".

Em 1999, quando Berezovsky caiu em desgraça com as autoridades russas e fugiu para o Reino Unido, Glushkov foi acusado de fraude e lavagem de dinheiro, segundo o "The Guardian". Ele se refugiou em Londres e em março do ano passado foi condenado à revelia a oito anos de prisão por ter fraudado a Aeroflot enquanto era diretor financeiro, de acordo com o "The Telegraph".

A morte de Glushkov acontece num momento de tensão entre o Reino Unido e a Rússia por conta do envenenamento, no último dia 4, do ex-agente duplo russo Serguei Skripal em solo britânico. O antigo espião da inteligência militar russa, capturado nos anos 90, e a filha dele, Yulia, foram expostos a um "agente nervoso" de natureza militar e estão internados em estado grave.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, indicou que é "altamente provável" que o Kremlin esteja por trás desse ataque e adiantou que irá impor várias medidas contra a Rússia se as suspeitas forem confirmadas.

A Polícia de Londres ressaltou hoje que, por enquanto, não existem provas que sugiram vínculos entre o caso do espião e a morte do homem em Londres.

O serviço de emergência chegou ontem às 22h46 de GMT a uma residência da Clarence Avenue, na capital britânica, de acordo com a Scotland Yard, que adiantou que fará uma autópsia do corpo. EFE