Jovem é morto a tiros após reagir a roubo feito por falso entregador em SP

·2 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um jovem de 20 anos morreu após reagir a um assalto realizado por um falso entregador. O crime ocorreu por volta das 22h30 desta segunda-feira (25) no Jabaquara, zona sul de São Paulo. A vítima foi atingida por ao menos quatro tiros, um deles na cabeça, segundo a polícia.

O criminoso não havia sido preso até a publicação desta reportagem.

Uma câmera de monitoramento mostra Renan Silva Loureiro caminhando abraçado com a namorada, de 19 anos, em uma calçada da rua Freire Farto.

Alguns metros adiante, ambos são abordados pelo assaltante, que se aproxima em uma moto e usa uma mochila semelhante às utilizadas por entregadores de empresas de aplicativos.

As imagens mostram o jovem entregando o celular para o bandido, o que também foi feito pela namorada dele.

Após isso, quando o criminoso se afasta alguns metros, Loureiro parte para cima dele, momento em que o ladrão atira. O jovem cai no chão. Ele morreu ainda no local.

Quando sua namorada tenta se aproximar do rapaz, já caído, o bandido ainda aponta a arma na direção dela, sobe na moto e foge no sentido da Vila Alba.

A moça tenta fazer o rapaz levantar, puxando-o por um dos braços, mas ele já está inconsciente.

No momento dos tiros, a luz da casa onde a câmera está instalada acende, e um morador aparece no portão. A Polícia Militar foi acionada em seguida.

O caso foi registrado como latrocínio --roubo seguido de morte-- no 16º distrito policial, de acordo com a SSP (Secretaria de Estado da Segurança Pública). Segundo a pasta, a investigação contará com apoio do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa).

Paulistanos têm sido vítimas de furtos e roubos de celulares por criminosos em motocicletas, fingindo ser entregadores de serviços de aplicativos, ou ainda usando bicicletas.

O primeiro trimestre de 2022 registrou um aumento no número de furtos e roubos no estado de São Paulo, na comparação com o mesmo período do ano passado. Com isso, o patamar dos dois crimes se aproxima do registrado antes do início da pandemia de Covid-19.

Segundo os dados oficiais divulgados nesta segunda (25) pela SPP, São Paulo registrou 132.782 furtos no primeiro trimestre do ano.

Isso representa uma alta de 28,5% em relação aos primeiros três meses de 2021 e de 7% na comparação com 2020 --a pandemia foi declarada em março daquele ano. Na relação com o mesmo período em 2019, antes do início da crise sanitária, houve uma diminuição de 2,7%.

Na capital paulista, ainda segundo dados da SSP, o número de latrocínios se manteve estável no primeiro trimestre deste ano, com 17 casos, em relação ao período do ano passado, com 16.

O aumento da criminalidade, segundo especialistas ouvidos pela reportagem, ratifica um aumento da sensação de insegurança da população.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos