Moradores acusam a PM após morte de rapaz de 18 anos no Jacarezinho: 'Executaram o meu filho no meio da rua', diz mãe

·2 min de leitura

RIO - Um jovem de 18 morreu após ser atingido por um tiro na comunidade do Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, na noite desta segunda-feira. A vítima foi identificada como Jhonatan Ribeiro de Lima. Moradores relatam que o disparo teria partido de um policial militar, supostamente do Batalhão de Choque.

A corporação informou que a Corregedoria acompanha o caso e que os agentes envolvidos estão sendo ouvidos pela Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), que assumiu as investigações. Depois, ainda de acordo com a PM, eles também prestarão depoimentos na 1ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (1ª DPJM).

Mãe de Jhonatan, a auxiliar de serviços gerais Monique Ribeiro dos Santos, de 35 anos, participa de um protesto que teve início na comunidade após a morte. Aos prantos, ela falou com O GLOBO no fim da noite.

— Mataram meu filho de 18 anos no meio da rua. Um menino. Não teve troca de tiro. Meu filho não é traficante, não deve nada a eles. Deixou um filho de 4 meses. Eles mataram e foram embora. Era honesto, trabalhava vendendo roupa. Executaram o meu filho no meio da rua — disse ela, que continuou: — Os moradores testemunharam. O que eu quero é Justiça. Justiça pela morte do meu filho. Não quero que outras mães passem pelo que eu estou passando.

Relatos indicam que o rapaz chegou a ser socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Manguinhos, comunidade vizinha ao Jacarezinho. Segundo a Secretaria municipal de Saúde (SMS), Jhonatan já chegou em parada cardiorrespiratória à unidade e não resistiu ao ferimento.

Já a Polícia Civil informou que foi acionada para a ocorrência na comunidade. A investigação ficará a cargo da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), que está a caminho do local.

Moradores realizam um protesto no Jacarezinho após a morte. Nas redes sociais, também há várias postagens externando indignação com o ocorrido. Um dos mais revoltados é Diego Aguiar, que se apresenta como mobilizador social e ativista na internet, onde acumula milhares de seguidores.

"Deram um tiro no Jhonatan na minha frente. O moleque não estava com nada. Eles deram o tiro e saíram correndo. Meu Deus, mano! O que a polícia está fazendo com o meu povo?", escreveu Diego, que compartilhou vídeos da tentativa de socorro à vítima. "Não aguento mais, mano. Não aguento mais. Só querem nos matar, mano. Que ocupação?", prosseguiu o ativista.

A ocupação a que ele se refere é o Programa Cidade Integrada, uma das principais bandeiras do governador Cláudio Castro (PL) na área de segurança pública para o ano eleitoral. Desde janeiro, PMs atuam no interior do Jacarezinho permanentemente, além da promessa de melhorias em outras áreas.


Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos