Jovem de 29 anos morre de coronavírus após fazer parto prematuro

Hospital municipal Ronaldo Gazolla, em Acari, é uma das unidades com seleção de mão de obra extra

Uma jovem de 29 anos, que testou positivo para o covid-19, morreu neste sábado após ficar nove dias internada na UTI do Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, unidade de referência para o tratamento do coronavírus.

Ela, que não teve a identidade revelada, deu entrada na no dia 23 de março no Hospital Maternidade Fernando Magalhães, em São Cristóvão, com insuficiência respiratória grave. Na unidade, dois dias depois, os médicos decidiram fazer o parto cesariano prematuramente, na 32ª semana de gestação, para tentar salvar a vida da mãe e evitar comprometimento do feto. A criança segue internada na UTI neonatal da unidade, sem apresentar sintomas característicos da doença.

Dois médicos cariocas morrem após serem infectados com o coronavírus

Dois médicos do Rio de Janeiro tiveram as mortes confirmadas por covid-19. Segundo o Conselho Regional de Medicina (Cremerj), o cardiologista Ricardo Antonio Piacenso morreu no Hospital Ronaldo Gazzola, unidade de referência para o tratamento de coronavírus no Rio. O Cremerj também confirmou a morte do anestesiologista José Manoel de Melo Gomes.

Piacenso é formado pela faculdade Souza Marques e há quatro meses se tornou avô de uma menina. Nas redes sociais, amigos e parentes lamentaram a sua morte e pediram para que os cariocas se mantenham em casa:

"Eu me sinto um pouco desrespeitada quando eu vejo gente se reunindo com os amigos como se nada estivesse acontecendo. Tá todo mundo com saudade dos amigos e da família, sabe? Tá todo mundo cancelando aniversário, viagem, casamento e o que for. Mas não, tem gente que se acha mais importante, o imunizadão e tá lá indo pra casa dos amigos beber, dançar, cantar e tá tudo certo. Não é momento pra isso, sabe? E seu egoísmo pode influenciar outras pessoas e infectar muitas outras.", afirmou uma familiar do médico.

Não foi informado a unidade de saúde em que José Gomes estava. Ele trabalhou no Hospital Naval Marcílio Dias e no Oeste Dor. O Cremerj lamentou a morte de ambos.