Jovem é agredido em rua de balada em suposto caso de homofobia

Jovem precisou de atendimento médico depois das agressões. Foto: Arquivo Pessoal

Dois jovens de 22 e 21 anos foram agredidos ao sair de uma casa noturna localizada no centro de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, no último domingo (22). Um deles se machucou gravemente e está no hospital e o outro teve ferimentos leves e não precisou de cuidados médicos.

Após ser agredida, a outra vítima, Renan Ribeiro Lopes, de 21 anos, foi ao primeiro Distrito Policial para registrar a ocorrência. Segundo o depoimento do jovem, ele e o amigo Roger Possebom Junior, de 22 anos, estavam dentro da casa noturna quando tiveram uma discussão com cerca de três pessoas desconhecidas.

Ao sair da casa noturna e entrarem no carro de Renan, os dois foram abordados pelos mesmos indivíduos e foram agredidos com socos e chutes. Porém, Roger foi quem mais se machucou durante as agressões.

Leia também:

Segundo o depoimento, Roger ficou com um ferimento grave no crânio e foi levado pelos bombeiros até o Posto de Saúde Central. Depois, ele foi transferido para o Hospital das Clínicas do bairro Alvarenga em estado gravíssimo.

De acordo com o registro feito na polícia, Renan também sofreu alguns traumas nos dentes e na boca. Além disso, ele apresentava hematomas no rosto e no corpo. Mesmo assim, ele conseguiu fazer a denúncia na polícia e contar o que sofreu.

Em seu depoimento, Renan disse para as autoridades policiais que acredita que as agressões tenham acontecido pelo fato de Roger ser homossexual.

De acordo com o advogado José Beraldo, que defende Roger, o caso configura homofobia. “Eu vou entrar junto ao Ministério Público e vou pedir que eles peçam a prisão preventiva dos três. Foram três agressores e isso que aconteceu é equiparado ao racismo. É homofobia. Agrediram por conta da questão de gênero”.

Segundo o advogado, um dos agressores chamou a vítima de “viado” durante as agressões. Além disso, Beraldo afirma que Roger foi deixado no chão depois da violência. “Isso é crime homofóbico. É uma tentativa de homicídio gravíssima. É crime de ódio”, disse.