Jovem é suspeito de ter ateado fogo na namorada por causa de tatuagem com nome do ex

Reprodução/Facebook

A Polícia Civil investiga o envolvimento de um rapaz, de 26 anos, num incêndio que queimou mais de 80% do corpo da namorada, Bruna Jenifer Cirilo, de 21. Ela está internada em estado grave.

O ataque aconteceu na casa em que os dois moravam, em Itanhaém, no litoral de São Paulo. A polícia acredita que uma tatuagem pode ter motivado a agressão.

Bruna morava há cerca de quatro meses na cidade, para onde se mudou com um antigo namorado. Ela descobriu posteriormente que ele tinha envolvimento com o tráfico de drogas e era procurado pela polícia – o nome dele estava tatuado no peito da vítima. O rapaz foi preso dias depois.

Bruna, então, se envolveu com o rapaz suspeito de provocar o incêndio. Segundo boletim de ocorrência, o casal já havia se desentendido porque, apesar do rapaz permanecer preso, ela ainda mantinha contato com ele por Whatsapp.

Ao chegar ao local do incêndio, bombeiros encontraram Bruna, ainda em chamas, na calçada, sendo ajudada pelo companheiro e vizinhos. Um bombeiro tentou socorrê-la, mas foi agredido pelo rapaz, que foi detido.

Bruna perdeu um dos seios e corre o risco de ter um braço amputado. Segundo a polícia, o rapaz foi detido e acabou sendo liberado em seguida – ele negou ser o autor do crime. De acordo com a versão apresentada por ele, Bruna estava deitada com uma manta térmica, quando tentou acender um cigarro perto de um galão com gasolina guardado na casa e houve combustão.

A mãe de Bruna disse que o rapaz não aceitava a tatuagem que ela tinha no peito, com o nome do ex, motivo pelo qual ela já teria apanhado. (Com informações do G1).

 

  • Aluna de colégio militar denuncia que ela e colegas passaram por revista íntima
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Aluna de colégio militar denuncia que ela e colegas passaram por revista íntima

    Ação aconteceu somente em uma sala, após denúncia de que estudantes estariam envolvidos com tráfico

  • Justiça brasileira não terá credibilidade com Lula preso, escrevem juízes europeus ao STF
    Notícias
    Folhapress

    Justiça brasileira não terá credibilidade com Lula preso, escrevem juízes europeus ao STF

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma carta aberta redigida por três ex-presidentes de cortes superiores de justiça europeias pede aos "colegas magistrados do Supremo Tribunal Federal" brasileiro que reflitam sobre "os vícios dos processos iniciados contra Lula". O texto é assinado por Tomás Quadra-Salcedo, ex-presidente do Conselho de Estado da Espanha de 1985 a 1991 e ex-ministro da Justiça do país, por Franco Gallo, que presidiu a Corte Constitucional da Itália em 2013, e por Giuseppe Tesauro, que comandou o mesmo tribunal superior em 2014. Eles afirmam que as revelações do site The Intercept Brasil, feitas em parceria com outros veículos de imprensa, reforçam a suspeita de que o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode ter sido tendencioso. "Como já foi mencionado por muitos colegas, brasileiros e de outros países do mundo, as revelações do jornalista Glenn Greenwald e sua equipe do site de informações The Intercept, em parceria com os jornais Folha de S.Paulo e El País, a revista Veja e outras mídias, reforçaram a natureza política da acusação contra Lula", diz a carta. "Elas também confirmaram aos olhos do mundo, como sempre foi afirmado por Lula e seus advogados, o caráter tendencioso do ex-juiz Moro e do ministério público, e, como resultado, a ausência de um julgamento justo e independente contra o ex-presidente", segue o texto. O manifesto afirma que a Operação Lava Jato se transformou em um partido político, que, além de condenar Lula, contribuiu para o impeachment da ex-presidente Dilma Roussef e para a chegada de Jair Bolsonaro ao poder. Dizem os três juízes: "Essas revelações confirmaram que a Operação Lava Jato, sob o pretexto de combater a corrupção, se transformou em um partido político, contribuindo para a destituição de Dilma Rousseff em 2016, bem como para a perseguição política contra ao ex-presidente Lula. Essa perseguição funcionou, pois permitiu a eleição de Jair Bolsonaro para a presidência da República". Leia abaixo a íntegra da carta: "Aos colegas magistrados do Supremo Tribunal Federal Como ex-presidentes de Cortes Superiores de Justiça, gostaríamos de chamar à reflexão os nossos colegas magistrados do Supremo Tribunal Federal e, mais amplamente, a opinião pública deste país para os vícios dos processos iniciados contra Lula. Como já foi mencionado por muitos colegas, brasileiros e de outros países do mundo, as revelações do jornalista Glenn Greenwald e sua equipe do site de informações The Intercept, em parceria com os jornais Folha de S.Paulo e El País, a revista Veja e outras mídias, reforçaram a natureza política da acusação contra Lula. Elas também confirmaram aos olhos do mundo, como sempre foi afirmado por Lula e seus advogados, o caráter tendencioso do ex-juiz Moro e do ministério público, e, como resultado, a ausência de um julgamento justo e independente contra o ex-presidente. Essas revelações confirmaram que a Operação Lava Jato, sob o pretexto de combater a corrupção, se transformou em um partido político, contribuindo para a destituição de Dilma Rousseff em 2016, bem como para a perseguição política contra ao ex-presidente Lula. Essa perseguição funcionou, pois permitiu a eleição de Jair Bolsonaro para a presidência da República. Numa época em que as democracias são postas à prova pela ascensão da extrema direita, e especialmente no Brasil, a justiça deve ser erguida como um baluarte contra o autoritarismo e a arbitrariedade. No entanto, devido aos procedimentos ilegais e imorais adotados contra o ex-presidente Lula, a justiça brasileira hoje está passando por uma verdadeira crise de credibilidade. Portanto, é essencial que os juízes da Suprema Corte exerçam plenamente seu papel de garantidores do respeito à Constituição e ponham fim às injustiças cometidas pelos promotores e pelo ex-juiz Sergio Moro. Enquanto o ex-presidente Lula não tiver sua inocência e sua liberdade plena restabelecida, a justiça brasileira não recuperará credibilidade. A falta de confiança no sistema de justiça brasileiro está corroendo o estado de direito e a democracia, com repercussões para todos os juízes do mundo."

  • Com próteses nas duas pernas há menos de 20 dias, Enzo já consegue caminhar sozinho; assista
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Com próteses nas duas pernas há menos de 20 dias, Enzo já consegue caminhar sozinho; assista

    Gravações em vídeo feitas pela família mostram o menino circulando pela casa onde mora com o pai, Leandro Divino, 35, e com a avó Sônia Divino, 61, em Iepê, região de Presidente Prudente (SP)

  • Óleo no Nordeste: Marinha tem nova pista sobre causador do estrago
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Óleo no Nordeste: Marinha tem nova pista sobre causador do estrago

    A maior probabilidade é que o vazamento partiu de um navio irregular, chamado de dark ship, afirma comandante da Marinha

  • Para constranger Bolsonaro, PSL deve destituir ministro do Turismo de diretório de Minas
    Notícias
    Folhapress

    Para constranger Bolsonaro, PSL deve destituir ministro do Turismo de diretório de Minas

    BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O deputado Delegado Waldir (PSL-GO) afirmou nesta terça-feira (22) que o partido vai destituir o ministro Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) da presidência do diretório de Minas Gerais. A medida, contudo, terá pouco efeito prático, já que Álvaro Antônio está licenciado do comando do PSL mineiro. A decisão é uma forma de o partido constranger o presidente Jair Bolsonaro, que manteve o ministro no cargo mesmo depois de ele ter sido indiciado pela Polícia Federal e denunciado pelo Ministério Público sob suspeita de comandar um esquema de candidaturas laranjas pelo PSL, caso revelado pelo jornal Folha de S.Paulo. O esquema de candidaturas laranjas do PSL deu início a atual crise na legenda e tem sido um dos elementos de desgaste entre o grupo de Bivar e o de Bolsonaro, que ameaça deixar o partido. "Eu acho que está no momento também de fazer a substituição do ministro do Turismo, que é investigado. É o momento do afastamento, de assumir outra pessoa", afirmou o deputado. A declaração foi feita por Waldir na chegada de reunião da Executiva do PSL, em Brasília. Rachado, o partido deve discutir a suspensão de 19 integrantes da legenda que são aliados do presidente Jair Bolsonaro. O encontro será comandado pelo presidente da sigla, o deputado Luciano Bivar (PE), a quem Bolsonaro se referiu recentemente como alguém "queimado para caramba". Segundo o deputado goiano, alguns parlamentares já foram notificados pelo conselho. Entre eles, o deputado Major Vitor Hugo (GO), líder do governo na Câmara, que usou sua conta nas redes sociais para dizer que não havia motivo para notificação. Além de Álvaro Antônio, o partido deve trocar outros diretórios, como Rio de Janeiro e São Paulo, antes comandados por dois filhos do presidente, respectivamente: o senador Flávio Bolsonaro (RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (SP). O encontro deve entrar ainda no debate sobre a disputa pela liderança do PSL na Câmara, que vive uma guerra de listas desde a semana passada. Na segunda-feira (21), Waldir abriu mão do posto, alegando que o governo havia firmado um acordo para pôr fim ao impasse que separa bivaristas de bolsonaristas. Ainda pela manhã, o deputado Major Vitor Hugo protocolou uma lista com 28 assinaturas válidas para escolha do deputado Eduardo Bolsonaro (SP) para a liderança da legenda e seu nome foi confirmado pela Secretaria-Geral da Mesa. O movimento gerou revolta de aliados de Bivar, que acusaram o governo de descumprir um acordo pela pacificação da legenda. O deputado Júnior Bozzella (SP) disse que o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, havia concordado em buscar uma terceira via para a liderança do PSL, numa solução em que não passaria nem por Waldir e nem por Eduardo. Já o ministro nega que tenha firmado acordo e diz que tratou sobre a pacificação de forma preliminar. "O diálogo com o ministro Ramos era de que nos iríamos fazer uma terceira via. Não tinha um nome, seria escolhido um nome de uma terceira via, que não seria do grupo do Eduardo, seria do nosso grupo. Não tinha nome, ok? Seria escolhido ainda, seria um terceiro nome. Eu só estava abrindo mão para conclusão desse diálogo, que foi acordado com o ministro Ramos. Ai o Vitor Hugo foi lá e atropelou", disse. Waldir disse que Eduardo, embora tenha assumido a liderança, é um perdedor por ter se valido do Poder Executivo para conquistar o posto. "Na verdade, eu não acho que ele foi um vencedor, eu acho que ele foi um perdedor. Quando você utiliza o Palácio do Planalto, quando você utiliza o presidente da República, quando você utiliza ministérios, quando você pressiona deputados, inclusive oferecendo viagens ao exterior ou dentro do país, isso, na verdade, não é vitória", afirmou. O deputado criticou ainda a atuação de Ramos e disse que ele, responsável pela articulação política do governo, está enfraquecido. "Ele enfraqueceu, [está] sem poder, sem poder de decisão, fala uma coisa, faz outra. Não tem poder de decisão. Ninguém é mais forte nesse governo que os filhos do presidente. O presidente é, na verdade, um marionete. Os filhos que estão governando", disse. O líder tem como principal atribuição representar o partido na Casa Legislativa. Cabe a ele, por exemplo, discursar na tribuna para falar em nome da sigla e fazer a orientação sobre como a bancada deve votar em cada projeto em discussão. O titular do posto é quem negocia diretamente com o presidente da Câmara e de suas comissões as pautas, orientações e acordos. Além disso, normalmente cabe ao líder levar o pleito da bancada em reuniões com representantes de outros poderes, em especial com o Executivo. O deputado que ocupa a liderança de um partido tem ainda uma estrutura maior de apoio. Além do que tem direito como parlamentar, tem à sua disposição outro gabinete, com assessores e cargos. No caso do PSL, a disputa pela liderança tem como pano de fundo o fato de ser o partido do presidente, praticamente o único da base do governo no Congresso. A legenda tem a segunda maior bancada na Câmara, com 53 deputados, ficando atrás apenas do PT.

  • ‘Tenho medo de dormir e não acordar’: o que temem os que vivem nas ruas de SP
    Notícias
    Yahoo Notícias

    ‘Tenho medo de dormir e não acordar’: o que temem os que vivem nas ruas de SP

    A Ponte passou por alguns pontos da maior cidade do país para saber quais são os principais temores daqueles que têm a rua como lar

  • Terror no Reino Unido
    AFP

    Terror no Reino Unido

    A polícia britânica anunciou nesta quarta-feira que encontrou 39 corpos em um caminhão na região de Essex, ao leste de Londres, e que o motorista foi detido por suspeita de assassinato.

  • Homem é baleado quatro vezes após beijo gay em bar na Bahia
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Homem é baleado quatro vezes após beijo gay em bar na Bahia

    Os envolvidos ainda não foram localizados, mas um grupo de homens que estava no bar é o principal suspeito do ataque

  • Um caso de tortura que acirrou o conflito entre Rota e PCC
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Um caso de tortura que acirrou o conflito entre Rota e PCC

    Em 2011, traficante da facção denunciou ter sido torturado por PMs, mas investigação concluiu que não havia indícios de crime

  • Tribunal vai decidir se caso de Lula sobre sítio de Atibaia deve voltar à 1ª instância
    Notícias
    Folhapress

    Tribunal vai decidir se caso de Lula sobre sítio de Atibaia deve voltar à 1ª instância

    CURITIBA, PR, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) marcou para a próxima quarta-feira (30) a análise do processo contra Lula (PT) referente ao sítio em Atibaia (SP) para decidir se ele deve ou não voltar para a primeira instância visando eventual correção da ordem de apresentação das alegações finais. A decisão para análise do caso foi tomada pelo relator da Lava Jato no TRF-4, João Pedro Gebran Neto. Ele ponderou que, antes do julgamento do mérito do processo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na segunda instância, que está previsto para os próximos meses, a corte deve avaliar se as recentes decisões do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre a ordem de apresentação de alegações finais se aplicam ao caso do petista. A reportagem apurou que a defesa de Lula tentará a suspensão da análise do caso na próxima quarta, por avaliar que caberia ao tribunal analisar todos os questionamentos feitos pelo ex-presidente, e não apenas a questão das alegações finais. O objetivo central da defesa do petista é a anulação do processo inteiro. Caso os juízes do TRF decidam pelo retorno do caso à primeira instância, a ação irá retroceder em ao menos nove meses. Seria preciso refazer não só a sentença, como também a etapa de alegações finais —fase em que as partes apresentam seus últimos argumentos ao juiz antes da publicação da sentença. No despacho, Gebran cita as ações envolvendo o ex-presidente da Petrobras Aldemir Bendine e o ex-gerente da estatal Márcio de Almeida Ferreira. Em ambos, o Supremo anulou as condenações e determinou que os processos retornassem às alegações finais, por não ter sido respeitada a ordem de pronunciamento das defesas —ou seja, que réus colaboradores falem primeiro e, só depois, se pronunciem os não colaboradores. No caso do sítio, o ex-presidente foi condenado pela Justiça Federal em Curitiba a 12 anos e 11 meses de prisão, por corrupção e lavagem de dinheiro. No pedido em que fará para tentar a suspensão da análise do caso, a defesa de Lula alegará que houve quebra da ordem cronológica de entrada dos processos no tribunal. Segundo levantamento dos advogados do petista, há mais de 3.000 ações ainda sem julgamento que entraram no TRF4 antes daquela que envolve Lula. Só na oitava turma, onde a ação do sítio de Atibaia é analisada, há mais de 1.800 processos com data de entrada anteriores ao processo do ex-presidente, de acordo com a defesa do petista. Outro argumento que será usado é que a decisão de Gebran contempla apenas um ponto questionado pela defesa de Lula e despreza outros considerados mais graves e que poderiam levar à anulação do processo inteiro. Lula está preso desde abril do ano passado, após condenação em segunda instância no caso do tríplex de Guarujá. Neste caso específico, o petista já cumpriu os requisitos para progredir do regime fechado para o semiaberto. No entanto, ele quer recusar o benefício, afirmando que não vai barganhar sua liberdade. Nesta quarta-feira (23), o STF retomou o julgamento que decide se um réu condenado em segunda instância já pode começar a cumprir pena ou deve aguardar o fim dos recursos judiciais —quando ocorre o trânsito em julgado. O resultado no Supremo também pode afetar o caso de Lula —a decisão sobre o tríplex já foi confirmada também pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), a chamada terceira instância do Judiciário. No início do mês, por 7 votos a 4, o Supremo decidiu que, para garantir o amplo direito à defesa e ao contraditório, assegurado pela Constituição, o réu delatado tem de ter a oportunidade de falar por último para se defender de todas as acusações que surgirem. Votaram a favor da tese os ministros Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello e o presidente da corte, Dias Toffoli. Já Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, e os ministros Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Marco Aurélio Mello foram contra e disseram não ver nulidade no prazo simultâneo que vem sendo dado para réus delatores e delatados se manifestarem. A tese sobre a ordem das alegações finais foi debatida a partir de um caso concreto, o de Márcio de Almeida Ferreira, ex-gerente de Empreendimentos da Petrobras, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro. A maioria dos ministros concedeu a ele um habeas corpus, por causa dessa questão processual, que anulou sua condenação. Foi a segunda condenação da Lava Jato anulada pelo STF. A primeira havia sido a de Aldemir Bendine, analisada na Segunda Turma em agosto. A decisão do plenário não tem efeito imediato para casos semelhantes, mas o Supremo abriu um precedente para anular outras sentenças, que deverão ser analisadas caso a caso, como o processo do sítio. A condenação de Lula no caso do tríplex de Guarujá teve circunstâncias distintas e não deve ser afetada pelo novo entendimento do Supremo. O QUE O SUPREMO DECIDIU No último dia 2, o Supremo decidiu que, em um processo com réus delatores e delatados, os delatados têm o direito de falar por último —​em termos técnicos, devem oferecer suas alegações finais depois dos réus delatores. ​Esse foi o mesmo entendimento da Segunda Turma do tribunal em julgamento de agosto que anulou pela primeira vez uma condenação do ex-juiz Sergio Moro na Lava Jato. A decisão pode levar à anulação de outras sentenças da operação, entre elas a que condenou em primeira instância o ex-presidente Lula por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do sítio de Atibaia (SP). O QUE O SUPREMO AINDA VAI DEFINIR Os ministros ainda precisam discutir o alcance da decisão e que sentenças poderiam ser anuladas. Dias Toffoli propôs que o entendimento sobre a ordem das alegações de delatores e delatados só anulem sentenças de réus que 1) pediram, ainda durante o julgamento em primeira instância, para apresentar alegações por último e não foram atendidos e 2) comprovarem que foram prejudicados. Não há data para a retomada do julgamento.

  • Coreia do Norte quer destruir complexo turístico construído pela Coreia do Sul
    Notícias
    AFP

    Coreia do Norte quer destruir complexo turístico construído pela Coreia do Sul

    O líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, ordenou a demolição de um complexo turístico construído por uma empresa sul-coreana, em um momento difícil para as relações entre os dois países, informou a agência oficial norte-coreana KCNA.

  • Descoberta de 39 corpos em caminhão causa horror no Reino Unido
    Notícias
    AFP

    Descoberta de 39 corpos em caminhão causa horror no Reino Unido

    Trinta e nove corpos foram encontrados nesta quarta-feira (23) em um caminhão em Essex, ao leste de Londres, cujo motorista foi detido por suspeita de assassinato.

  • Rei da Tailândia afasta funcionários palacianos por 'atos malignos'
    Notícias
    AFP

    Rei da Tailândia afasta funcionários palacianos por 'atos malignos'

    O rei da Tailândia, Maha Vajiralongkorn, demitiu seis funcionários veteranos do palácio por seus "atos malignos" - anunciou o palácio real nesta quarta-feira (23), dias após o monarca retirar os títulos de sua concubina oficial por "deslealdade".

  • PSL já tem estratégia para constranger Bolsonaro
    Notícias
    Yahoo Notícias

    PSL já tem estratégia para constranger Bolsonaro

    A declaração foi feita pelo Delegado Waldir (GO) na chegada de reunião da Executiva do PSL, em Brasília

  • Assista: homem explode quintal tentando matar baratas com gasolina
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Assista: homem explode quintal tentando matar baratas com gasolina

    Ele conta que despejou uma tampinha de garrafa PET cheia de gasolina no buraco de onde os insetos saíam

  • Jovem morre baleada jogando Pokémon Go nos EUA
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Jovem morre baleada jogando Pokémon Go nos EUA

    Ela estava dentro do carro com um namorado quando testemunhou um assalto

  • Pelo menos 55 elefantes morrem de fome dentro de parque no Zimbábue
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Pelo menos 55 elefantes morrem de fome dentro de parque no Zimbábue

    Combinação de seca e crise econômica no país está por trás da tragédia

  • Com aceno a súditos, novo imperador japonês defende prosperidade mundial
    Notícias
    Folhapress

    Com aceno a súditos, novo imperador japonês defende prosperidade mundial

    TÓQUIO, JAPÃO (FOLHAPRESS) - Em uma rápida cerimônia, de cerca de meia hora e com a presença de monarcas europeus, o novo imperador do Japão, Naruhito, proclamou nesta terça-feira (22) a sua ascensão ao trono real. Na solenidade, ele disse esperar que o Japão contribua ainda mais com a amizade e a pacificação da comunidade internacional e que continue a ajudar no bem-estar e prosperidade da humanidade. "Eu sinceramente espero que o nosso país, por meio da sabedoria e permanente esforço de nossa população, alcance um desenvolvimento mais amplo e contribua com a amizade e a pacificação da comunidade internacional", disse. Em um aceno aos súditos japoneses, o imperador disse que cumprirá o seu papel constitucional de ser um símbolo de unidade nacional e que sempre estará ao lado da população. "Eu atuarei de acordo com a constituição e cumprindo minha responsabilidade como símbolo da unidade da sociedade japonesa, sempre desejando a felicidade das pessoas e a paz mundial e direcionando meus pensamentos à população", afirmou. Ele lembrou que seu pai, o imperador emérito Akihito, compartilhou durante o seu reinado momentos de alegria e pesar com a sociedade japonesa, demonstrando compaixão. O novo imperador assume a função com o desafio de humanizar a família imperial japonesa, que é a dinastia mais antiga do mundo, e aproximá-la da população em geral. O evento foi uma espécie de consagração da ascensão de Naruhito ao trono, uma vez que, desde o final de abril, ele já ocupa formalmente a função. Ele assumiu o posto após a abdicação de seu pai, a primeira nos dois últimos séculos de monarquia japonesa. Desde então, o Japão entrou na era de Reiwa, que significa "venerável harmonia". Segundo a tradição, o reinado de cada imperador recebe um nome diferente. O ritual, promovido no Palácio Imperial nesta terça-feira (22), teve início por volta das 13h (1h da manhã no Brasil). No chamado Trono de Crisântemo, que é inicialmente é cercado por cortinas, Naruhito foi apresentado com trajes tradicionais japoneses e um cetro nas mãos. Na sequência, um segundo trono, colocado ao lado do primeiro, teve as cortinas abertas para apresentar a imperatriz Masako. Após o discurso do imperador, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, cumprimentou o casal real e fez uma rápida fala, na qual congratulou o imperador em nome da sociedade japonesa. Ao final, ele puxou três gritos de "Banzai", termo utilizado para louvar o imperador e desejar uma vida longa, e canhões foram disparados em sua homenagem. Na sala de ascensão, assistiram à cerimônia apenas membros da família real japonesa e integrantes da cúpula do governo. Em um ambiente próximo, também no Palácio Imperial, acompanharam o ritual por grandes telões cerca de 2 mil convidados, incluindo o príncipe Charles, do Reino Unido, e os reis da Holanda, Willem-Alexander, e da Bélgica, Philippee. O presidente Jair Bolsonaro compareceu à solenidade representando o Brasil, na companhia do embaixador do país no Japão, Eduardo Saboya. Ele vestiu um fraque preparado para o entronamento japonês, com medalhas de honrarias brasileiras.  Bolsonaro fez questão de usar a Medalha do Pacificador com Palma do Exército, concedida a ele por ter salvado a vida de um soldado em 1978. Pela manhã, antes da cerimônia, o casal imperial visitou três santuários religiosos e Naruhito leu um texto sagrado em japonês antigo para a divindade do sol, no santuário do Palácio Imperial. Ainda nesta terça-feira (22), ele oferecerá um banquete às autoridades estrangeiras, com a presença do presidente brasileiro. Ao todo, são promovidos quatro banquetes imperiais. O desfile em carro aberto pela região central de Tóquio, que era programado também para esta terça-feira (22) e seria o único momento de aproximação do casal imperial com os súditos japoneses, foi adiado para 10 de novembro. A decisão foi tomada em conjunto pela casa imperial e pelo governo japonês devido aos estragos causados pela passagem na semana retrasada do tufão Hagibis, que deixou 74 mortos. A iniciativa foi tanto em respeito às vítimas da tragédia como para garantir a segurança de Naruhito e de Masako, já que a capital japonesa enfrentou uma tarde chuvosa.

  • Governo Assad reitera apoio às forças curdas sírias
    Notícias
    AFP

    Governo Assad reitera apoio às forças curdas sírias

    O presidente sírio, Bashar al-Assad, reafirmou seu apoio, nesta terça-feira (22), sem citar nomes, aos combatentes curdos no nordeste da Síria que tentam repelir uma ofensiva turca, dias após o início do destacamento de seu Exército naquela região.

  • Caçador ilegal comedor de pênis de urso-preguiça é preso na Índia
    Notícias
    AFP

    Caçador ilegal comedor de pênis de urso-preguiça é preso na Índia

    Um caçador ilegal de tigres na Índia, também conhecido por comer pênis de urso-beiçudo (ou urso-preguiça) por seus supostos efeitos afrodisíacos, foi detido após seis anos de busca - anunciaram as autoridades locais nesta terça-feira (22).

  • Morre piloto de avião que caiu em Belo Horizonte
    Notícias
    Folhapress

    Morre piloto de avião que caiu em Belo Horizonte

    BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - A Fhemig (Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais) confirmou na tarde desta terça-feira (22) a morte do piloto do avião que caiu em Belo Horizonte nesta segunda. Alan Duarte de Jesus Silva, 29, é a quarta morte ligada ao acidente. Outras três pessoas morreram no local. A Polícia Civil de Minas Gerais confirmou as mortes de Hugo Fonseca, 38, que também estava no avião, e Pedro Antônio Barbosa. A terceira vítima só terá o nome confirmado após identificação pelo IML. O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais confirmou nesta terça que as duas vítimas que não estavam no avião -dois homens- estavam no mesmo carro, quando foram atingidos pelo monomotor. A informação inicial era de que um deles seria um pedestre, porque foi socorrido em um ponto relativamente distante do carro e, pelo estado de consciência, não pode confirmar às equipes onde estava no momento do acidente. No Hospital João 23, para onde onde os sobreviventes foram levados, o pai de Alan, Deusdeth Duarte, contou que o filho era um piloto experiente, com 10 anos de carreira. Segundo a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), a habilitação dele era válida. Outros dois pacientes, que estavam no avião, seguem internados. A Fhemig diz que os dois estão em estado grave, mas com quadro estável. Um dos dois homens, de 32 anos, deve passar por mais uma cirurgia no decorrer da semana. Ainda na segunda, a médica Kelly Danielle de Araújo, cirurgiã plástica e coordenadora da Unidade de Tratamento de Queimados do hospital, explicou que o protocolo prevê várias idas ao bloco cirúrgico para seguir com limpeza, até a queimadura ser limitada. Pessoas que estavam no local do acidente chegaram a tirar foto dos dois homens sentados em uma calçada, quase sem roupas, sendo molhados por uma mangueira com água. Segundo a médica, a ação é correta para aliviar queimaduras. Além das queimaduras externas, as vítimas também tiveram diagnóstico de queimaduras internas, com as vias áreas afetadas pela inalação da fumaça quente. Os três sobreviventes chegaram ao hospital já entubados. "[A fumaça] vai para brônquios, pulmão, traqueia. Você vai ter uma evolução diferente desse paciente com acometimento de via área, porque ele não tem só o tubo para ventilar, tem também queimadura nos pulmões, alvéolos", diz a médica. O monomotor, um Cirrus SR20, com ano de fabricação de 2007, estava com dados cadastrais em dia e apto para voar, segundo a Anac. Apesar de o proprietário registrado na ficha ser a Helicon Táxi Aéreo, empresa do Paraná, a agência afirma que a aeronave havia sido vendida e estava em fase de transferência de proprietário.  Um dos sobreviventes, Srrael Campras dos Santos, aparece registrado como operador do avião -pessoa que decide a operação da aeronave. A operação para táxi aéreo aparece como negada na ficha.  Segundo a Infraero, o avião saiu do aeroporto Carlos Prates, a 7 km do centro de Belo Horizonte, com destino a Ilhéus (BA). O Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) investiga o acidente. Um vídeo exibido pela Globo News mostra que a queda ocorreu poucos segundos depois da decolagem, a 1,3 km de distância do aeroporto. No local do acidente, a poucos metros dos restos do avião, estava o paraquedas dele.

  • Homem provoca acidente ao tentar matar aranha dentro do carro
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Homem provoca acidente ao tentar matar aranha dentro do carro

    Ninguém ficou ferido, e motorista será indiciado por direção negligente

  • Bolsonaro ironiza a Folha e publica foto com macarrão instantâneo
    Notícias
    Folhapress

    Bolsonaro ironiza a Folha e publica foto com macarrão instantâneo

    TÓQUIO, JAPÃO (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro ironizou o jornal Folha de S.Paulo e divulgou fotografia preparando macarrão instantâneo em seu quarto de hotel no Japão. Na quarta-feira (23), a Folha de S.Paulo publicou reportagem sobre o presidente ter recorrido à comida pré-cozida em sua viagem ao continente asiático por não gostar de peixe cru. Convidado para o banquete do novo imperador do Japão, Naruhito, Bolsonaro mal comeu o cardápio real baseado em peixes e frutos do mar, optando por macarrão sabor calabresa. "Parabéns à Folha de São Paulo. Essa matéria não é Fake News", escreveu o presidente nas redes sociais, divulgando fotografia na qual cozinha o alimento instantâneo. Desde a campanha eleitoral, Bolsonaro faz recorrentes ataques à Folha de S.Paulo por reportagens do jornal, entre elas da servidora fantasma de seu gabinete como deputado federal e o o esquema de candidaturas laranja do PSL em Minas Gerais. Nesta quinta-feira (24, noite de quarta no Brasil), ele confirmou que pouco comeu no banquete oferecido pelo premiê japonês, Shinzo Abe, e acabou se alimentando de carne com fritas. "Com fome, eu como qualquer coisa. Mas enquanto tiver miojo lamen, fico no macarrão aqui", disse.

  • Depoimento 'explosivo' no Congresso põe Trump em apuros
    Notícias
    AFP

    Depoimento 'explosivo' no Congresso põe Trump em apuros

    Um diplomata americano apresentou nesta terça-feira (22) um depoimento "explosivo" sobre o caso da Ucrânia que sacode a política nos Estados Unidos, colocando o presidente Donald Trump, que está sob ameaça de impeachment, numa situação particularmente delicada.

  • Notícias
    Agência Brasil

    Conselho da OEA faz reunião para analisar situação na Bolívia

    O Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) realiza reunião extraordinária nesta quarta-feira (23), em Washington, para analisar a situação da Bolívia, a pedido das missões permanentes do Brasil, Canadá, da Colômbia, Costa Rica, dos Estados Unidos e da Venezuela.Os resultados parciais das eleições gerais na Bolívia geraram incerteza e tensão no país após a interrupção da contagem que estava dando vitória ao presidente Evo Morales.  De acordo com os resultados parciais, com 83,7% dos votos contados, Morales - à frente do Partido para o Movimento Socialismo (MAS) - liderava o pleito no momento da interrupção com 45,28% dos votos, contra 38,16% de Carlos Mesa. Este, que governou a Bolívia entre 2003 e 2005, concorre pela aliança do centro de Ciudadana (CC).A reunião será transmitida ao vivo - com interpretação em espanhol, inglês, francês e português - no site da OEA e na página da OEA no Facebook.Mais informações na TV Brasil: