Jovem negro é preso durante eleição em Goiás: “Vai gritar Lula lá na África”

Homem negro é detido pela PM em Goiás e ouve fala racista: 'Vai gritar Lula lá na África' - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Homem negro é detido pela PM em Goiás e ouve fala racista: 'Vai gritar Lula lá na África' - Foto: Reprodução/Redes Sociais
  • Jovem negro é preso em Goiás no domingo de eleição;

  • No vídeo que circula nas redes sociais, alguém grita "vai gritar Lula lá na África";

  • Ministério Público pediu explicações à Polícia Militar.

Um jovem negro foi preso no último domingo (2), data do primeiro turno das eleições, em Novo Gama, cidade em Goiás. No vídeo, divulgado nas redes sociais pelo jornalista André Caramante, é possível ouvir alguém dizendo “vai gritar Lula lá na África”.

Sem camisa, o homem foi algemado e levado pela polícia. Segundo os profissionais, ele estava próximo a uma seção eleitoral, supostamente fazendo boca de urna para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A prática, que configura fazer propaganda ou pedir votos para determinado candidato no dia do pleito, é ilícita. Posteriormente, o jovem foi liberado por não portar materiais eleitorais, conforme apurado pelo g1.

Na gravação, dá para escutar outra pessoa falando que o homem foi preso por ser eleitor do Lula. Veja abaixo:

A circulação do vídeo nas redes sociais fez com que o Ministério Público pedisse explicações à Polícia Militar, incluindo detalhes da abordagem e identidade dos agentes envolvidos no caso. A SSP (Secretaria de Segurança Pública) de Novo Gama confirmou que o jovem foi abordado pela PM e Guarda Civil Municipal.

Não é possível identificar quem gritou a frase racista.

PT repudia episódio

Em nota, Kátia Maria, presidente do PT de Goiás, disse que as “imagens mostram cenas de racismo e violência política”.

"Não vamos permitir intimidação, perseguição política e policial aos apoiadores do Lula em Goiás. Vivemos num estado democrático de direito e exigimos respeito à liberdade de escolha e expressão da população", escreveu.

O partido também informou que acionará a corregedoria da PM e da Guarda Municipal de Novo Gama para apurar o caso e o governador Ronaldo Caiado (UB) para solicitar a apuração, punição dos envolvidos e orientação da corporação para evitar novos casos.