Nicaraguenses protestam pedindo justiça por mortes em confrontos

Manágua, 25 abr (EFE).- Centenas de nicaraguenses marcharam nesta quarta-feira com velas acesas pelas vias públicas de Manágua, para pedir justiça pelas 30 mortes nos recentes protestos, onde exigem que o presidente Daniel Ortega deixe o poder.

As pessoas, em sua maioria estudantes, saíram da Universidade Centroamericana (UCA), local onde os primeiros confrontos começaram, para a Rotunda Cristo Rei, chamada assim por ter uma imagem de Jesus de braços abertos, semelhante ao Cristo Redentor.

No caminho, a romaria podia ser distinguida à distância pelas velas acesas, as bandeiras da Nicarágua se agitando e motoristas que soavam incessantemente as buzinas de suas motos ou carros.

No final do trajeto, as fotos dos falecidos nos confrontos foram colocadas aos pés da imagem de Cristo para decorá-las com velas e flores, fornecer um minuto de silêncio e pedir justiça.

"Hoje nos concentramos, pois para nós é importante continuar denunciando a repressão que aconteceu na Nicarágua na última semana e porque temos 28 mortos e uma quantidade de desaparecidos que deram a vida pela reivindicação da democracia e liberdade na Nicarágua", disse o manifestante Alfredo Ocampo, à Agência Efe.

Como resultado dos diferentes atos de violência registrados nos protestos da Nicarágua, as organizações não-governamentais e a Cruz Vermelha do país contavam até hoje pelo menos 28 mortos, entre eles dois policiais, um adolescente e um jornalista, 428 feridos, e mais de 200 manifestantes detidos ou desaparecidos.

A polícia da Nicarágua informou, entretanto, um balanço total de dois agentes mortos e 121 feridos durante os confrontos que aconteceram desde a última quarta-feira até o domingo, por conta do anúncio das reforma da Previdência, que foi revogada. EFE