Jovem tem cabelo associado à vassoura após publicar vídeo de humor defendendo que ‘cachos não dão trabalho’

videotiktok.png

Após produzir um vídeo com um trocadilho bem humorado, ao dizer que "cabelo cacheado não dá trabalho" e mostrar a carteira profissional sem registro empregatício, a analista de sistemas e tik toker Olívia Lorena, de 23 anos, recebeu uma enxurrada de comentários preconceituosos contra seu cabelo. Por trás das ofensas disfarçadas de opiniões, internautas chegaram a fazer associações à vassoura e a escrever que os cachos de Olívia estavam “bem uó”. O conteúdo foi publicado na última terça-feira e repercutiu nas redes sociais ao longo semana, chamando atenção para o racismo estético.

A ideia de fazer o vídeo surgiu após uma seguidora de Olívia comentar que gostaria de deixar o cabelo natural, mas não conseguia porque “cachos dão muito trabalho”. No vídeo, a analista de sistemas lê o comentário e brinca: “gente eu não sei quem inventou isso. Cabelo cacheado não dá trabalho. Olha o meu, ele é bem cacheadinho. E olha a minha carteira, vazia”.

No Tik Tok, o vídeo teve mais de 183 mil curtidas e cerca de 3,8 mil comentários. Após as ofensas recebidas de dezenas de perfis, Olívia disse que ficou abalada e que as falas preconceituosas são mais frequentes quando seu cabelo está solto.

— Escuto com muita frequência essa frase. Justamente por sempre ler ou ouvir isso que tive a ideia. Quando dizem que cabelo crespo é difícil, penso que provavelmente a pessoa está reproduzindo o que sempre ouviu — diz a analista de sistemas.

Em entrevista ao GLOBO, a cientista social e antropóloga, Larisse Pontes, afirmou que piadas preconceituosas sobre o cabelo afro podem ser caracterizadas como racismo estético, por não seguirem o padrão europeu. Estudiosa do assunto e dos impactos da transição capilar em pessoas negras, a pesquisadora acredita que associações à esponja de aço e à vassoura, por exemplo, como ocorrido com Olívia, são formas de reforçar, entre a branquitude, que a beleza negra é inferior.

— A beleza é algo que sempre foi negado para a população negra. Ela não tem a liberdade de expressar a negritude na forma que quiserem. Para que a mulher negra consiga emprego, ela tem que alisar o cabelo; os homens precisam raspar — aponta.

De acordo com Olívia, que produz diariamente vídeos para o Tik Tok e Instagram, o preconceito é frequente em sua vida: tanto na internet quanto na própria família. Todos os comentários sobre a sua estética capilar fez com que ela alisasse o cabelo aos 12 anos de idade. Livre da química desde os 16, a jovem acredita que o preconceito surge, principalmente, porque ela não gosta de definir os cachos.

— Na época da transição, minha melhor amiga não tinha gostado e falava “preferia liso”, porém eu sempre me importei mais com o que eu mesma acho. A galera que já me segue, normalmente elogia. Mas quando algum vídeo viraliza e vai para novas pessoas, aparecem comentários questionando algo. Desde que se dá trabalho até quais produtos eu uso. Eu me sinto desconfortável às vezes, quando são perguntas tipo "você consegue desembaraçar?", pois dá a sensação de que é um tipo de cabelo muito diferente e exótico — afirma.

Todos os comentários preconceituosos foram denunciados pela jovem nas respectivas redes sociais. Ela não pretende realizar um boletim de ocorrência.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos