Jovem trans acusa motorista de app de prendê-la em carro e xingá-la: "Traveco imunda"

Jovem trans registrou queixa na polícia após episódio - Foto: Getty Images
Jovem trans registrou queixa na polícia após episódio - Foto: Getty Images
  • Jovem trans contou que foi ofendida por motorista de aplicativo em Goiânia

  • Ele teria mantido a estudante presa no veículo e proferido as ofensas

  • Ela só foi salva após seus gritos serem ouvidos por colegas da faculdade

Uma estudante relatou ter sido vítima de transfobia e mantida presa em um carro por um motorista de aplicativo em Goiânia. O episódio teria acontecido na semana passada.

De acordo com informações do G1, Rayanne Eduarda Brito dos Santos contou ter sido chamada de “traveco”, “imunda”, entre outras ofensas, pelo suspeito na última quarta-feira (27).

“Foi aterrorizante, foram os piores momentos da minha vida”, disse.

Segundo a vítima de 33 anos, estagiária na Defensoria Pública do Estado, tudo começou quando ela pediu um carro de aplicativo para ir para a faculdade em que cursa Direito. Durante o caminho, ela percebeu que o motorista parecia incomodado.

Rayanne relatou que falou com o rapaz em duas oportunidades, sendo uma para pedir que ele aumentasse a música do rádio e a outra para lhe oferecer uma bala.

Ao chegarem ao destino, ela indicou o local de parada ao motorista, que, por sua vez, decidiu parar o carro em outro lugar. Após dar novas orientações ao rapaz, a jovem passou a ser ofendida.

“Ele virou para mim e perguntou qual o meu problema. Depois, falou: ‘Você é chata, imunda, fedida, traveco’. Ele puxou o freio de mão do carro no meio da avenida”, lembrou.

Foram sete minutos com o carro parado no meio da avenida e com as portas trancadas, durante os quais o motorista seguiu ofendendo a estudante e fazendo movimentos como se quisesse pegar algo sob o banco.

“Ele disse que eu era uma raça desgraçada e que ninguém quer andar com transexuais em Goiânia. As palavras tentaram me diminuir como ser humano”, relatou.

Estudante é salva por colegas

Segundo Rayanne, o motorista chegou a descer do carro e ameaçar ir até ela, mas desistiu. A estudante só foi socorrida depois que seus gritos foram ouvidos por colegas da faculdade, que foram até o automóvel e a tiraram de lá.

A vítima contou que registrou o caso no aplicativo InDriver, pelo qual pediu o carro, e denunciou o motorista na Polícia Civil. O suspeito deve ser identificado e ouvido nos próximos dias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos