Um jovem Yazidi, sobrevivente do grupo EI, retorna ao Iraque

Layla Eido, 17 anos, foi sequestrada aos 11 anos pelo grupo EI no norte do Iraque, e recuperou sua liberdade há pouco mais de um ano

Uma jovem Yazidi voltou ao Iraque neste domingo, ao lado de outra sobrevivente do grupo jihadista Estado Islâmico (IS), depois de ficar presa na Síria devido a restrições ligadas à pandemia de coronavírus, disse um ativista dessa minoria iraquiana.

Layla Eido, 17 anos, foi sequestrada aos 11 anos pelo grupo EI no norte do Iraque, e recuperou sua liberdade há pouco mais de um ano, depois de estar nas mãos de jihadistas até as últimas horas do "califado", derrotado pelas forças curdas na Síria em março de 2019, na cidade de Baghuz (nordeste).

Ela conseguiu retomar o contato com sua família iraquiana após uma longa separação, mas devido ao coronavírus, ficou retida na Síria com o fechamento das fronteiras.

"Layla chegou hoje [domingo] ao posto de fronteira iraquiano em Fishjabur com outra sobrevivente" e ambas entraram no Iraque e estão "de boa saúde", disse o ativista Yazidi à AFP.

Em 2014, no auge do poder do EI, Layla Eido foi sequestrada pelos jihadistas, que atacaram o reduto dos Yiazidis nas Montanhas Sinjar, no norte do Iraque.

Como ela, milhares de mulheres e meninas nesta comunidade de língua curda foram sequestradas e transformadas em escravas sexuais ou casadas à força com combatentes.

Layla Eido foi forçada a se casar com um combatente iraquiano de 21 anos.

Do Iraque, eles a levaram para a Síria, onde ela fugiu com os jihadistas após as sucessivas derrotas do EI.

No final da jornada, ela chegou a Baghuz, onde o marido foi baleado. Quando as forças curdas, apoiadas por uma coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, proclamaram sua vitória em Baghuz em março de 2019, ela foi uma das milhares de mulheres e meninas retiradas do último reduto jihadista para o campo de deslocados de Al Hol em Al Nordeste da Síria.

No início do ano, ela conseguiu entrar em contato com sua família novamente, graças a um amigo yazidi que conheceu no campo e que retornou ao Iraque.

Os pais da menina estão refugiados na província de Dohuk, no Curdistão iraquiano.