Jovens chilenos votam por 'mudança' com seu futuro 'em jogo'

·2 min de leitura
Uma pessoa vota em uma seção eleitoral nas eleições presidenciais em Vallenar, norte do Chile, em 21 de novembro de 2021 (AFP/Javier TORRES)

"É o nosso futuro que está em jogo", diz à AFP a publicitária Constanza Vargas enquanto aguarda em uma longa fila em um centro de votação em Santiago durante as eleições gerais. Seu argumento é o mesmo de milhares de jovens: "uma mudança" no Chile após dois anos de turbulências políticas.

Aos 32 anos, Vargas convoca os jovens a irem às urnas em busca de uma alternativa ao modelo neoliberal herdado da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), que embora tenha gerado estabilidade econômica e política no país nos últimos 31 anos, aprofundou as desigualdades sociais.

Ela faz parte da primeira geração de jovens que viveu integralmente na democracia e juntamente com centenas de milhares de pessoas, impulsionou em outubro de 2019 os maiores protestos sociais desde o retorno da institucionalidade plena no país.

"Somos o futuro", reforça Vargas, uma entre os 15 milhões de chilenos - de uma população de 19 milhões - convocados às urnas neste domingo (21) para eleger o sucessor do atual presidente, o conservador Sebastián Piñera.

São sete os candidatos, entre eles dois favoritos, segundo as contestadas pesquisas de intenção de voto - que por lei não são publicadas há 15 dias -: o deputado de esquerda e ex-líder estudantil Gabriel Boric (35 anos), da aliança Aprovo Dignidade, e o ultradireitista José Antonio Kast (55), do Partido Republicano.

- Votar para mudar -

Nas filas intermináveis e passando calor à espera de votar em um bairro populoso da capital, Felipe Rojas, estudante de 24 anos, declara categoricamente à AFP: "É preciso votar".

O Chile estabeleceu em 2012 o voto voluntário, o que fez cair a participação eleitoral a menos de 50%.

"O país precisa de mudanças; estamos cansados dos mesmos políticos", diz, irritado com a demora e a desorganização.

Carla Fuenzalida, estudante de 19 anos, tem as mesmas queixas metros atrás nas longas filas deste centro de votação, onde as pessoas recorreram a bonés, chapéus, sombrinhas e guarda-chuvas para se proteger do sol.

"Estamos fazendo fila há mais de uma hora. Isto não está certo, queremos votar, chega deste Chile", diz à AFP.

- Das ruas para as urnas -

Em um bairro residencial de Santiago, o diretor de arte Pedro Tórtora, de 35 anos, explica à AFP que a juventude que participou dos protestos sociais desde outubro de 2019 agora deve revalidar esta revolução social com o voto.

"As mudanças não só se fazem nas ruas, mas também nas urnas. Por isso é muito importante, não só que os jovens votem, mas que toda a população vote para poder fazer a mudança verdadeira", alega Tórtora.

apg/pa/llu/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos