Jovens encontradas mortas na Rocinha eram amigas de infância e estavam juntas no Rio há dois meses

As jovens Francisca Analice Ferreira Mendes, de 20 anos, e Estephany Alves de Paiva, de 19, foram encontradas mortas por familiares, na madrugada desta quinta-feira, dentro de uma casa na comunidade da Rocinha, na Zona Sul do Rio. Estephany estava deitada na cama com um corte profundo no pescoço e Analice estava de bruços deitada no chão do banheiro. Helena Paiva, tia de Estephany, foi quem encontrou os corpos.

Vizinho é suspeito: Mulher é estuprada e ferida a tesourada após ceia de Natal; suspeito é procurado

Mãos e pés amarrados: Polícia prende homem suspeito de matar mulher e colocar o corpo em saco plástico

De acordo com a irmã de Analice, Silmara Mendes, as duas eram amigas de infância e se conheceram no Ceará, na localidade de Caveira, terra natal das duas. Elas estavam juntas no Rio há pouco tempo. Analice se mudou no início do ano e Estephany há dois meses.

Segundo Maria de Fátima, prima de Analice, a jovem teria ido visitar Estephany na noite dessa quarta-feira. Ela avisou ao marido que não demoraria, mas não voltou para casa. Por volta das 22h, segundo a prima, o marido da jovem tentou contato pelo celular, porém não foi atendido. Maria relata que ele não desconfiou que algo pudesse ter acontecendo já que era comum Analice visitar a amiga que morava próximo a casa deles.

— A tia da Estephany, que mora com ela, chegou em casa e a encontrou morta em cima da cama. Depois viu a Analice no banheiro. Ninguém sabe o que aconteceu. Elas eram muito amigas. Ninguém entende. Ninguém ouviu nada. Nenhum vizinho ouviu barulho — diz Maria.

'Alguma dúvida?': Pai de bebê morto em acidente de carro cobra Polícia Civil

De acordo com Silmara, Analice estava no chão com uma faca de cozinha em uma das mãos. Não há informações se o objeto foi usado.

Recém chegadas ao Rio

Estephany morava em São Paulo e se mudou para a comunidade da Rocinha há duas semanas para morar com a tia. Analice é casada e morava com o marido próximo à amiga na localidade conhecida como "Raiz". As duas planejavam passar o ano novo juntas.

— Não foi briga. A casa está intacta. Elas não brigaram. Foi alguém que matou. Elas eram amigas de infância, do mesmo lugar que a gente — afirmou Silmara Mendes, irmã de Analice.

'Me perdoem': Primo que socorreu crianças de afogamento no Natal pede desculpas por 'ter falhado'

A Polícia Civil informou, em nota, que a Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) foi acionada para a ocorrência e que diligências estão em andamento para apurar as circunstâncias do crime.

Também por nota, a Polícia Militar informa que policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Rocinha foram acionados na madrugada desta quinta-feira para verificar ocorrência, onde encontraram duas pessoas já mortas.

Sete processos na Justiça: Holandesa desaparecida se mudou para o Rio sem avisar advogada que a defendia e em meio a penhora de bens