Juíza é assassinada na véspera de Natal no Rio de Janeiro

DIEGO GARCIA
·1 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, 45, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, foi assassinada na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, na tarde desta quinta-feira (24), véspera de Natal. Em nota, a Amaerj (Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro) e a AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) disseram que, de acordo com a Polícia Civil, o autor do crime é o ex-marido da juíza, Paulo José Arronenzi, 52. Ele foi preso em flagrante. Segundo as entidades, Viviane Vieira do Amaral Arronenzi integrava a magistratura do Rio havia 15 anos. Atualmente, trabalhava na 24ª Vara Cível da Capital. Antes, na 16ª Vara de Fazenda Pública. Felipe Gonçalves, presidente da Amaerj, se colocou à disposição da família e repudiou o ocorrido. "A doutora Viviane Amaral não será esquecida. Conversei esta noite com o secretário de Polícia Civil do Estado do Rio, delegado Alan Turnowski. Também falei com o delegado Pedro Casaes, que esteve no local do crime. Posso afiançar: esse crime não ficará impune. O que ocorreu nesta quinta-feira na Barra da Tijuca é absolutamente inaceitável", afirmou. A presidente da AMB, Renata Gil, transmitiu solidariedade aos familiares e amigos da juíza. "O feminicídio é o retrato de uma sociedade marcada ainda pela violência de gênero. Precisamos combater este mal", disse. Em nota, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro também lamentou profundamente a morte da juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi.