Juíza em Nova York rejeita processo contra OMS sobre resposta à pandemia

Jonathan Stempel
·1 minuto de leitura
Prédio da OMS em Genebra

Por Jonathan Stempel

NOVA YORK (Reuters) - Uma juíza dos Estados Unidos rejeitou uma ação aberta por moradores de um condado de Nova York que acusaram a Organização Mundial da Saúde (OMS) de negligência na resposta à pandemia do coronavírus.

A juíza Cathy Seibel afirmou nesta segunda-feira que a OMS está imune, de acordo com sua própria constituição de 1948 e com o Ato de Imunidades de Organizações Internacionais, do processo apresentado em conjunto por sete demandantes do condado de Westchester.

Os requerentes, entre eles um médico de New Rochelle e seis moradores de Mount Vernon que contraíram a Covid-19, buscavam indenizações para adultos de Westchester por alegarem que a OMS subestimou o coronavírus no início da epidemia, não declarando a pandemia rapidamente e não coordenando a resposta global à crise.

Mas a magistrada afirmou que a resposta da OMS à pandemia envolveu decisões políticas de acordo com sua discrição, e rejeitou argumentos de que sua suposta negligência possa anular seu status de imunidade.

Seibel afirmou que a queixa "faz apenas a asserção vaga e geral de que a OMS fracassou negligentemente em providenciar a liderança eficiente e a implementação de suas principais funções globais sob as regulamentações internacionais de saúde".

Os autores da ação também argumentavam que a pandemia "poderia provavelmente ser prevenida" se a OMS não tivesse sido "cúmplice na propagação e normalização" de "propaganda" do governo chinês após a detecção dos primeiros casos de Covid-19 na cidade chinesa de Wuhan.