Juíza suspende medidas de distanciamento social decretadas pela Prefeitura do Rio

ANA LUIZA ALBUQUERQUE
·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A juíza Regina Lucia Chuquer, da 6ª Vara de Fazenda Pública do Rio de Janeiro, concedeu liminar e suspendeu quatro decretos da prefeitura que determinavam medidas de distanciamento social para conter a transmissão do coronavírus. Entre as medidas suspensas estão a proibição de permanência em vias públicas das 23h às 5h e do banho de sol nas praias. "Nem mesmo uma pandemia gravíssima como a vivenciada na atualidade autoriza o cerceamento da liberdade individual de cada cidadão carioca, ao argumento da possibilidade de transmissão acelerada da doença ou mesmo da falta de vagas em hospitais", escreveu a magistrada. Chuquer decidiu a favor de uma ação popular proposta pelo deputado estadual Anderson Moraes (PSL), aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), contra a prefeitura de Eduardo Paes (DEM). A juíza alega que a administração municipal invadiu a competência do Poder Legislativo "ao prever a suspensão do direito fundamental de ir e vir". Para ela, as medidas não poderiam ter sido decretadas sem a existência de uma lei aprovada pela Câmara dos Vereadores. Chuquer também argumenta que a prefeitura desrespeitou direitos fundamentais previstos no artigo 5° da Constituição Federal, que dispõem sobre a liberdade da população. "É livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens", diz o inciso 15. "Apenas àqueles a quem foi dada a legitimidade pelo voto popular para votar leis podem impor especialíssimos conteúdos restritivos que, de todo modo, respeitem os direitos fundamentais, corolário de uma sociedade livre", afirmou a juíza na decisão. O Rio de Janeiro tem 93% dos leitos de UTI para Covid-19 ocupados, e 43 pessoas na fila de espera nesta terça-feira (20). Procurada, a Procuradoria Geral do Município informou que ainda não foi notificada da ação e que, uma vez confirmada o teor da decisão da juíza, irá recorrer. "A legislação municipal segue vigente", disse em nota.