Judeu teria revelado esconderijo de Anne Frank a nazistas para salvar a própria família, aponta investigação

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Mais de 70 anos após a morte da judia Anne Frank em um campo de concentração na Alemanha, aos 15 anos, um time de investigadores identificou o suspeito que teria revelado para nazistas a localização do esconderijo onde a menina passou dois anos com a família.

Após seis anos de trabalho, a equipe, que incluiu historiadores, especialistas e até o ex-agente do FBI Vince Pankoke, apontou que a família Frank teria sido traída por Arnold van den Bergh, um judeu que vivia em Amsterdã, na Holanda. Ele teria revelado a informação para salvar a própria família.

Van den Bergh morreu em 1950. Ele foi membro do Conselho Judaico da capital holandesa, um órgão que foi forçado a implementar a política nazista em áreas onde viviam judeus. A organização foi dissolvida em 1943 e muitos de seus membros foram levados para campos de concentração.

— Quando perdeu toda a sua série de proteções, que o isentavam de ir para os campos, teve que fornecer algo valioso aos nazistas para que ele e sua esposa ficassem seguros — ressaltou Vince Pankoke em documentário sobre o tema exibido pela emissora de TV americana CBS, neste domingo.

O time que fez a pesquisa diz ter encontrado evidências de que Otto Frank, o pai de Anne, que morreu em 1980, sabia o nome de quem o havia denunciado, mas manteve a informação em segredo. Nos arquivos de uma investigação anterior, foi encontrada a cópia de um bilhete anônimo enviado a Otto, identificando van den Bergh como o traidor.

— Talvez ele tenha sentido que se eu trouxesse isso à tona de novo... só ia colocar mais lenha na fogueira. Mas temos que ter em mente que o fato de o suspeito ser judeu significa que ele foi colocado em uma posição insustentável pelos nazistas para fazer algo para salvar sua vida — ressaltou Pankoke.

Conforme o jornal The Guardian, houve duas investigações policiais sobre o caso, em 1947 e 1963. Arend van Helden, filho do detetive que liderou o segundo inquérito, foi quem forneceu a cópia da nota anônima aos revisores dos casos arquivados.

Mais detalhes da investigação são revelados no livro "The Betrayal of Anne Frank", da canadense Rosemary Sullivan, que será publicado nesta terça-feira.

— Van den Bergh conseguiu vários endereços de judeus escondidos. Não tinham nomes anexados e nenhuma garantia de que as famílias ainda estavam naqueles locais. Foi isso que ele fez para salvar a própria pele. Pessoalmente, acho uma figura trágica — descreveu a autora.

Em comunicado, o museu da Casa de Anne Frank afirmou estar "impressionado" com as descobertas da equipe de investigação. O diretor-executivo da instituição, Ronald Leopold, disse em nota que a nova pesquisa "gerou novas informações importantes e uma hipótese fascinante que merece mais pesquisas". O museu informou que não estava diretamente envolvido na investigação, mas compartilhou arquivos com a equipe.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos