Juízes planejam boicotar jogos de Serena

Serena e Carlos Ramos discutem durante a final do US Open (Getty Images)

O árbitro principal da final feminina do US Open, o português Carlos Ramos, parece que já esqueceu da polêmica envolvendo Serena Williams. Na decisão, o juiz tirou um game da norte-americana após ela cometer três infrações. Serena xingou Ramos de “ladrão, mentiroso e machista”.

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

Em conversa com um jornalista do diário Marca, o português disse que recebe centenas de mensagens de apoio por parte de familiares, amigos e até mesmo tenistas do circuito. “Estou bem, na medida do possível. É uma situação chata, mas a arbitragem ‘sob demanda’ não existe”, falou.

Leia mais:
Neymar critica árbitro de amistoso com El Salvador
– Veja as peças mais incríveis do maior museu de futebol do mundo
– Dono do PSG admite surpresa em ver ida de Cr7 à Juve: ‘Não esperava’

Nos bastidores, porém, há uma corrente os juízes do tênis para não trabalhar mais nas partidas de Serena Williams. A WTA, que rege o tênis feminino, e a Associação de Tênis dos EUA, apoiaram Williams no caso. Apenas a Federação Internacional de Tênis respaldou Ramos e destacou seu “profissionalismo”. Um árbitro, que preferiu não se identificar, disse ao Times, disse que o português “foi lançado aos leões” e criticou o menosprezo sofrido por Carlos Ramos na cerimônia de premiação do US Open – ele não receber, como é de praxe, uma réplica do troféu dado a todos os juízes principais que trabalham nas finais dos Slams.

Ramos voltará a atuar neste final de semana no duelo válido pela Copa Davis entre EUA e Croácia – em solo europeu.