Juiz decide que Ronaldinho deve ser investigado por uso de documentos falsos

O juiz Mirko Valinotti negou o pedido da Promotoria e não concedeu o arquivamento do processo de Ronaldinho e seu irmão e empresário, Roberto de Assis Moreira, informa o "ABC Color".

Embora não haja medidas cautelares em relação aos irmãos, o juiz remeteu ao MP do Paraguai o processo a fim de que seja ou não ratificado o pedido dos promotores. Enquanto isso, Ronaldinho e seu irmão estão livres e podem deixar o país.

O juiz decidiu, no entanto, que os dois irmãos continuem sendo investigados pela produção de documentos falsos. Os promotores Federico Delfino e Alicia Sapriza haviam pedido o arquivamento do processo ao considerar que os irmãos não estavam implicados diretamente com o fato. O caso agora ficará com a Procuradoria Geral, chefiada por Sandra Quiñónez.

Valinotti não concordou com o pedido da promotoria, que pedia uma sanção de cunho social para os brasileiros. Seu argumento era justamente a falta de medidas cautelares contra Ronaldinho e Assis.

Já o empresário Wilmondes Sousa Lira permanecerá em prisão preventiva na Penitenciária de Tacumbú, considerando que há perigo de fuga. As mulheres apontadas como titulares dos dois passaportes adulterados, María Isabel Gayoso e Esperanza Caballero, ficaram em prisão domiciliar.

Entenda o caso

O ex-astro do Barcelona e da seleção brasileira Ronaldinho Gaúcho e seu irmão Roberto Assis foram detidos pela polícia do Paraguai na noite desta quarta-feira sob acusação de ter entrado no país usando supostos passaportes falsos.

Euclides Acevedo, ministro do Interior do Paraguai, informou que investigadores entraram na suíte presidencial do Hotel Yacht y Golf Club, onde Ronaldinho estava hospedado, e encontraram dois passaportes adulterados. Um estava em nome do ex-jogador e o outro no do irmão.

Ronaldinho chegou ao Paraguai nesta quarta-feira para o lançamento do seu livro "Gênio da vida" e participaria do lançamento de um programa social destinado a crianças organizado pela Fundação Fraternidade Angelical.

Ronaldinho Gaúcho responsabilizou o empresário Wilmondes Sousa Lira, de 45 anos, que o representa no país vizinho, por portar o documento adulterado. Tanto o craque quanto o irmão e agente dele, Ronaldo de Assis Moreira, foram levados pelos agentes.