Juiz manda quebrar sigilo bancário de Milton Ribeiro e pastores lobistas para apurar suspeitas de propina

O juiz Renato Borelli, da 15ª Vara Federal do Distrito Federal, determinou a quebra do sigilo bancário do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, de sua mulher Myriam Ribeiro e dos outros alvos da investigação sobre suspeitas de corrupção no Ministério da Educação.

O objetivo da medida é aprofundar as suspeitas de pagamentos de propina em troca da obtenção de favorecimentos no MEC. As quebras foram solicitadas pela Polícia Federal em conjunto com os pedidos de prisão preventiva.

'Centenas': Juiz que ordenou prisão de Milton Ribeiro recebe ameaças, diz tribunal

Ex-ministro de Bolsonaro: Lula critica prisão de Milton Ribeiro e fala que 'direito à defesa é valor monumental'

O período do afastamento do sigilo bancário é entre janeiro de 2020 e abril de 2022. Também foram alvos das quebras os pastores-lobistas Arilton Moura e Gilmar Santos, além de personagens ligdos a eles.

Nesta quinta-feira, o desembargador federal Ney Bello, do Tribunal Regional Federal (TRF-1), aceitou um habeas corpus apresentado pela defesa do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e mandou libertá-lo. Ele e os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, suspeitos de terem atuados como lobistas no ministério, foram presos na quarta-feira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos