Juiz manda soltar três detidos em operação que envolve José Serra

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Brazil's Foreign Minister Jose Serra looks on during a meeting with the president of the Venezuelan National Assembly, Deputy Julio Borges (out of frame) at Itamaraty Palace, in Brasilia, February 8, 2017. / AFP / ANDRESSA ANHOLETE        (Photo credit should read ANDRESSA ANHOLETE/AFP via Getty Images)
José Serra é alvo de operação da Polícia Federal (ANDRESSA ANHOLETE/AFP via Getty Images)

O juiz eleitoral Marco Antonio Martin Vargas soltou na noite desta sexta (24) três pessoas que tinham sido presas na última terça (21) em operação que investigava o senador José Serra (PSDB-SP). Uma delas é o fundador da Qualicorp, José Seripieri Filho.

De acordo com Vargas, a permanência das prisões não são mais imprescindíveis para o sucesso das investigações, já que os suspeitos foram interrogados e que a polícia já tem os objetos que necessita para a investigação do caso.

Leia também

O magistrado aceitou um depósito caução de R$ 5 milhões proposto pela defesa de Seripieri para garantir eventual futura reparação de danos. Com isso, o bloqueio de valores das contas dos suspeitos também foi retirado.

Após a prisão, a defesa do empresário afirmou que os delatores mencionados no inquérito não o acusavam de caixa dois, mas sim relataram apenas um "mero pedido de doação" a favor de Serra.

A investigação se restringe aos possíveis ilícitos da campanha eleitoral de 2014, quando o tucano se elegeu senador pelo estado de São Paulo ao vencer Eduardo Suplicy.

As apurações atingiram de início o empresário Paulo Skaf em maio desse ano, depois Paulinho da Força (Solidariedade) e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) também foram atingidos. O tucano, que disputou a eleição presidencial em 2018, foi indiciado por crimes de lavagem de dinheiro, corrupção e caixa 2 eleitoral.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube