Juiz nega pedido de deputado para anular ato da PF que mudou acesso a informações internas

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP). (Foto: Fábio Braga/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP). (Foto: Fábio Braga/Folhapress)

TÓQUIO, JAPÃO (FOLHAPRESS) - O juiz Márcio de Franças Moreira, da 8ª Vara Federal em Brasília, negou um pedido do deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) para anular um ato administrativo da Polícia Federal que mudou o funcionamento de acesso a informações internas.

A direção da PF mudou as regras do SEI no mês passado, passando a registrar como restritos os processos. Dessa forma, a circulação ficou mais limitada e setores deixaram de ter acesso a temas com os quais não estavam relacionados. Um dos objetivos era evitar vazamentos.

O deputado disse à Justiça que essa alteração impossibilitaria a sociedade de ter acesso ao conteúdo das informações inseridas no SEI.

O magistrado não concordou com o argumento e disse que Valente parte de uma “premissa equivocada” sobre o sistema.

“O SEI não constitui um banco de dados de consulta pública, acessível por qualquer cidadão, mas um sistema de gestão de processos exclusivo aos usuários internos de cada órgão”, afirmou o juiz.

No entendimento do juiz, como somente servidores da PF acessam o sistema, a mudança não altera o direito dos cidadãos às informações e aos documentos.

“Não havendo dúvidas de que a publicidade dos atos continua preservada, sem qualquer risco à sociedade de violação ao exercício do controle social sobre as condutas dos agentes públicos”, concluiu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos