Juiz que prendeu brigadistas no Pará foi advogado de madeireira da família e criticou ONG

Bruno Alfano
Foto: NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images

Responsável por autorizar a prisão de quatro ambientalistas investigados por supostamente terem envolvimento com incêndios em área de floresta, o juiz Alexandre Rizzi já foi advogado de uma madeireira de sua família no Pará.

Na última quinta-feira, Rizzi determinou a prisão preventiva dos quatro voluntários da Brigada de Alter sob acusação da Polícia Civil de terem iniciado queimadas na floresta em Alter do Chão, oeste do estado. O grupo formado todo por paulistas foi solto na tarde da última quinta-feira após dois dias presos no Centro de Triagem de Santarém.

Leia também

No despacho, Rizzi afirma que a prisão foi determinada para "garantia da ordem pública" e evitar "a reiteração da prática delitiva, além de garantir a colheita de elementos para a instrução criminal".

No entanto, posteriormente o delegado de polícia enviou um ofício à Justiça afirmando que a busca e apreensão resultou na arrecadação de "enorme material", que demandará, ainda segundo o alvará de soltura, "lapso temporal considerável". Por isso, segundo o juiz, ele decidiu fazer uma reanálise na tarde desta quinta-feira.

Em 1997, Rizzi aparece em uma reportagem da "Folha de S. Paulo" sobre um ato do Greenpeace contra o corte ilegal de árvores.

Falando como representante da madereira da família, ele afirmou ao jornalista que a manifestação era "rídicula" e que "toda a madeira é fiscalizada rigorosamente pela Receita Federal". A antiga reportagem foi destacada em matéria jornalística da BBC Brasil.

"Nunca tive conflito com nenhuma organização. Apenas dei minha opinião aos vinte anos de idade acerca de um fato que presenciei", declarou o juiz, em nota enviada ao GLOBO.

"No mais, continuarei firme e pronto para julgar quem quer que seja, independentemente de credo, ideologia ou partido político. Entretanto, eu sei que isso incomoda bastante. Mais: não fui eu que deferi a interceptação telefônica que deu origem à investigação que tem causado tanto pavor, pois estava de férias", completou a nota enviada à reportagem.

Há duas empresas registradas na Receita Federal com o nome fantasia Madeirrizi: a Germano C Rizzi e a Indústria e Comércio de Madeiras Rizzi Ltda. Ambas estão registradas no mesmo endereço de Santarém e tiveram sua baixa datada em 31 de dezembro de 2008. De acordo com a "Folha", as duas empresas foram fundadas nos anos 1980 por Germano Clemente Rizzi e Sirlei Carmen Sangalli Rizzi, pai e mãe do magistrado.

Brigadistas presos

João Victor Pereira Romano, Daniel Gutierrez Govino, Marcelo Aron Cwerner (diretor, vice e tesoureiro da ONG Aquífero Alter do Chão) e Gustavo de Almeida Fernandes (diretor de logística da ONG Saúde e Alegria, que atua há 32 anos na região) foram acusados pela Polícia Civil do estado de dano direto à unidade de conservação e associação criminosa. Eles negam todas as denúncias e consideram serem vítimas de uma "armação".

Na manhã desta quinta-feira, o Ministério Público Federal do Pará (MPF-PA) enviou uma manifestação à 1ª Vara da Comarca Criminal de Santarém questionando a competência da Polícia Civil do estado na apuração dos incêndios florestais na região de Alter do Chão.

O MPF ainda pediu acesso ao inquérito e informou que há, desde setembro, um inquérito da Polícia Federal com o mesmo tema: “Nenhum elemento apontava para a participação de brigadistas ou organizações da sociedade civil”.

“Ao contrário, a linha das investigações federais, que vem sendo seguida desde 2015, aponta para o assédio de grileiros, ocupação desordenada e para a especulação imobiliária como causas da degradação ambiental em Alter”, diz outro trecho do texto divulgado pelo MP.

Atentado

Alexandre Rizzi já foi alvo de um atentado há seis anos. Em 12 de julho de 2013, ele foi alvejado pelas costas dentro do seu sítio, na cidade paraense de Vigia.

Testemunhas afirmam que os homens invadiram o local e surpreenderam Rizzi às margens do igarapé.

Um helicóptero do Corpo de Bombeiros, que estava nas imediações, socorreu o juiz. Na época, ele respondia, cumulativamente, pela comarca de Medicilândia (PA), Juizado Ambiental, Vara Agrária e Eleitoral.

— O crime organizado faz parte da nossa realidade, isso é inerente à profissão, principalmente quando encontramos juízes cada vez mais engajados — afirmou Rizzi, à época, durante cerimônia realizada pela Associação de Magistrados do Rio de Janeiro, da qual foi convidado.