Primeiro réu a depor em juízo justifica ataques em Paris

·3 min de leitura
Julgamento dos atentados de Paris é retomado com interrogatório de acusados (AFP/Thomas COEX) (Thomas COEX)

O primeiro réu a depor no processo dos atentados que deixaram 130 mortos em novembro de 2015 em Paris justificou os ataques jihadistas como uma "resposta" à violência ocidental.

Depois de mais de duas semanas de pausa, prolongada pelo estado de saúde do principal réu, Salah Abdeslam, seu amigo de infância Mohamed Abrini foi o primeiro acusado ouvido pelo tribunal nesta terça-feira (11).

"Escutem, aqueles que se explodem [em ataques suicidas] agem em resposta aos bombardeios. Se não temos um soldado para matar no local, atacamos", disse Abrini.

Quatro meses após o julgamento do ataque mais sangrento sofrido pela capital francesa desde a Segunda Guerra Mundial os acusados começam a depor, depois de ouvidos os sobreviventes e os investigadores.

Após duas tentativas na semana passada, a retomada pôde ser realizada após um segundo laudo médico declarar Abdeslam "apto" a comparecer.

Salah Abdeslam, o único membro vivo dos comandos que atacaram o Stade de France, no norte de Paris, bares e restaurantes da capital e a casa de shows Bataclan, contraiu covid-19 na prisão no final de dezembro.

O presidente do tribunal onde ele está sendo julgando, Jean-Louis Périès, declarou nesta terça que um segundo laudo médico solicitado na semana passada indica que Abdeslam está "curado" desde 3 de janeiro.

O relatório também afirma que ele pode comparecer às audiências, uma vez que "[não está] contagioso", mesmo que teste positivo. Abdeslam, que não comparecia a uma audiência desde 25 de novembro, esteve presente hoje.

Já o réu sueco Osama Krayem se recusou a comparecer. Sua advogada, Margaux Durand-Poincloux, disse que, na quinta-feira (6), seu cliente tomou a decisão de não falar mais até o final do julgamento.

"No início, eu queria me expressar no tribunal", mas "ninguém está procurando a verdade", diz uma carta lida por sua advogada na semana passada. Seu interrogatório está marcado para a próxima semana.

O interrogatório de Salah Abdeslam está marcado para 20 e 21 de janeiro. Nesta primeira fase, os réus devem apenas responder sobre os acontecimentos ocorridos até ao verão boreal de 2015 (inverno no Brasil).

Mohamed Abrini, de 37 anos e acusado também na Bélgica pelos ataques de março de 2016 em Bruxelas, está sendo julgado por acompanhar o comando jihadista à região de Paris na véspera do ataque.

Na França, ele também é acusado de cumplicidade no aluguel de carros e apartamentos usados pelos jihadistas.

"Não sou capaz [de atacar], sempre disse isso", garantiu.

Durante o interrogatório, o homem considerou que "o Islã ensinado pelo profeta não é compatível com a democracia" e não negou as atrocidades do grupo Estado Islâmico (EI).

"Eu admito tudo, assim como vocês reconhecem toda a história da França com suas páginas claras e escuras", disse ele depois de lembrar que um rei foi guilhotinado durante a revolução.

Questionado se tinha algo a dizer às vítimas, Abrini disse após um longo silêncio: "O que aconteceu com eles é muito triste. São vítimas da política externa francesa e do Estado Islâmico".

aje-mdh-tjc/mb/mr/tt/jc/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos