Julgamento de Flordelis entra no terceiro dia e 28 testemunhas ainda serão ouvidas

Previsto inicialmente para durar três dias, o julgamento de Flordelis Santos de Souza e outros quatro réus será retomado nesta quarta-feira, terceiro dia de juri, ainda com 27 testemunhas pendentes de serem ouvidas. A maioria das pessoas que faltam prestar depoimento são testemunhas de defesa. Nas duas sessões desta semana apenas seis pessoas foram ouvidas pelo tribunal: os dois delegados que investigaram o crime e três filhos afetivos e a ex-patroa de Lucas Cezar dos Santos de Souza, filho de Flordelis.

Entre as testemunhas que ainda serão ouvidas no julgamento estão três peritos, contratados pela defesa, e o desembargador Sirio Darlan - que foi o juiz titular da 1ª Vara da Infância e Juventude do rio durante os anos 1990. Nos primeiros dois dias de depoimentos, os relatos duraram ao menos 3 horas cada. No entanto, para as próximas testemunhas, a expectativa é que os depoimentos sejam mais rápidos.

Nesta terça-feira, segundo dia de julgamento, Flordelis passou mal durante o depoimento de Wagner Andrade Pimenta, o Misael, filho afetivo do casal, a ex-deputada passou mal e precisou sair do plenário por cerca de 30 minutos. Segundo os advogados de defesa, ela teve um desconforto nas costas e começou a sentir formigamento em um dos braços. Após tomar um remédio, ela retornou ao Tribunal do Juri. Ela deve participar da sessão desta quarta-feira.

Durante seu depoimento, Misael revelou que após ser adotado pela ex-deputada aos 12 anos, ela contava aos fiéis que ele tinha envolvimento com o mundo do crime. No entanto, ele negou que tenha envolvimento.

- A Flordelis falava que meu sonho era ser traficante e entrar na vida do crime, e começou essa história na minha vida. Eu ficava com vergonha, não gostava, mas acabei aceitando. Mas nunca fui envolvido — disse Misael.

Misael ainda relata que na noite do pastor Anderson do Carmo, Flordelis chegou ao hospital em que ele foi socorrido com um “choro forçado”. Este é o segundo filho afetivo da ex-deputada que relata uma emoção falsa de Flordelis. Mais cedo Alexsander Felipe Matos Mendes narrou que durante o velório que o choro da ex-deputada “não era verdadeiro” e disse ter tomado conhecimento de que a mãe tinha trocado de roupa três vezes durante o velório do pastor.

- Quando eu cheguei no hospital, encontrei Daniel e o encontrei desesperado no meio da rua sem camisa. Dentro encontrei o Flávio e cheguei na recepção. Passou cerca de 40 minutos e quem chega é minha mãe. Quando ela sai do carro, já vem chorando, de terninho. Como moramos juntos, a gente sabia se era verdadeiro ou não e não era verdadeiro. Era um choro forçado. Eu conheço ela - relatou aos jurados.