Júlia Lemmertz diz que se inspirou em "O Diabo Veste Prada" para interpretar Carmem

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Júlia Lemmertz buscou referências no filme (Foto: Fabio Rocha/Globo)
Júlia Lemmertz buscou referências no filme (Foto: Fabio Rocha/Globo)

O elenco todo de "Quanto Mais Vida, Melhor", nova novela das sete, buscou referências em filmes e séries. Assim que Júlia Lemmertz e Giovanna Antonelli apareceram em suas primeiras cenas, internautas notaram semelhanças com a vilã do filme "O Diabo Veste Prada", interpretada por Meryl Streep. Mas nada disso foi mera coincidência. 

"A inspiração vem de muitos lugares. Me inspirei muito em uma atriz inglesa. O diretor (Allan Fiterman) também sugeriu o filme 'O Diabo Veste Prada'", diz Júlia, que foi quem teve a ideia de platinar o cabelo para ajudar na composição de sua personagem. "Essa coisa do cabelo loiro tem uma frieza", explica.

Na trama, Carmem (Júlia Lemmertz) é uma empresária do ramo de cosméticos, que compete diretamente com Paula (Giovanna Antonelli), uma das protagonistas da novela. As duas se odeiam e fazem de tudo para acabar com o futuro e os negócios uma da outra. 

Júlia diz que se divertiu nos bastidores com Antonelli e concluiu que as personagens, na verdade, se amam. O público é que vai demorar para perceber isso. "É um mote tão grande que vira amor. O que vou fazer sem essa pessoa? Não vou ter com quem brigar? Eu começo como vilã, mas acho que depois vira outra coisa. Ela (Carmem) se importa com a Paula. Todos os personagens têm as suas questões escondidas", explica a artista.

Além da competição nos negócios, Júlia Lemmertz acredita que as questões pessoais interferem muito na relação das duas mulheres. A atriz explica o início das duas tomadas pelo ódio e adianta um pouco do suspense que se desenrolará no folhetim de Mauro Wilson.

"A Paula roubou o amor da Carmem. Além de toda competição, ela perdeu o marido para ela e esse cara morreu. Não se sabe se ele se matou ou se jogou. Ele morreu e a Carmem pega esse bastão da justiça e diz que vai provar que foi a Paula que matou. Por isso a novela começa em um lugar muito bélico, de raiva e ódio. Mas nada é tão realmente sério a ponto de ser mortal", avalia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos