Juliana Paes relembra tempos de rainha de bateria: "Foi bom enquanto durou"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Anunciada como musa de um dos camarotes da Sapucaí, Juliana Paes volta ao Carnaval carioca de um jeito diferente. Na última vez em que pisou na Avenida do Samba, a atriz brilhou à frente da bateria da Acadêmicos do Grande Rio, em 2019. No ano seguinte, ela não participou da folia, viajando com a família para Fernando de Noronha. Desde então, quem ocupa o posto de rainha de bateria da escola de Caxias é Paolla Oliveira.

"Sou uma apaixonada por carnaval, tenho saudade da emoção da Avenida. Mas os processos para ser rainha de bateria demandam muita atenção. Não basta você estar ali no desfile, tem que estar presente nos ensaios, a comunidade cobra. Eu acho isso justo. Quando comecei a não dar conta de ir aos ensaios, aceitei que era melhor não continuar. Já brinquei disso durante muitos anos da minha vida. Foi bom enquanto durou. Não tenho mais a energia de estar em todos os eventos", respondeu Juliana ao EXTRA, ao ser questionada se gostaria de voltar ao posto: "A minha prioridade são os projetos como atriz, infelizmente eu não posso priorizar o Carnaval... Então, não acho justo estar ali ocupando o lugar de alguém que pode fazer isso com maestria."

No fim do ano passado, a musa fez uma limpa no closet e juntou figurinos e acessórios de carnaval para repassar à comunidade de Caxias:

"Eu doei muita coisa para as passistas que eu conhecia. Entreguei tudo para o David Brazil quando ele foi lá em casa. Não adianta ficar guardado, não fa a energia girar."

Na primeira fase de “Pantanal”, Juliana arrancou elogios do público e dos críticos de TV à sua atuação como Maria Marruá, a mulher que virava onça. Em cena na novela ou nos momentos de lazer, o corpo esculpido em músculos da atriz tem chamado atenção.

— Outro dia, me flagraram na praia, num lugar a que eu estava superacostumada a ir. Depois dessas fotos, muita gente me ligou falando do meu físico. Confesso que isso tem muito mais a ver com saúde mental do que com um desejo de cultivar músculos. Eu sempre tive tendência a definir o corpo, é genético, da minha fisiologia. Malho pouco, mas o pouco que eu malho já me rende uma musculatura definida — conta ela.

Durante a pandemia, Juliana conta ter passado por situações críticas de ansiedade. E diz que os exercícios físicos funcionaram como válvula de escape pra ela:

— Tive crises de ansiedade que eu não sabia que existiam. Eu escutava as pessoas falarem e não entendia bem o que era isso. Senti na pele o que é ter dificuldade pra dormir, o corpo estar pedindo descanso mas a cabeça não parar com os pensamentos viciados, preocupados. Percebi que a endorfina era o que me acalmava. A atividade física me salvou de qualquer processo mais denso, mais complicado. Nos dias em que eu não treinava, a ansiedade ficava maior. Quando eu tinha um treino mais intenso, que me deixava mais cansada, eu dormia melhor, conseguia meditar melhor. E aí esse remédio virou prioridade na minha vida.

Aos 42 anos completados em março, ela considera ter um corpo melhor do que aos 20:

— Com meus 20 anos, eu tinha a boa genética. Agora, eu me sinto com o corpo melhor do que na juventude, mas motivada por outros fatores. Questões de saúde mental mesmo, não tenho problema em dizer isso. Eu converso muito isso com os meus fãs, que são muito jovens. Acho importante falar sobre isso. Escuto tantos relatos complicados, que eu acho que a gente que ganhou um pouco mais de visibilidade precisa normalizar falar sobre a dificuldade em passar por essas fases. Eu nunca treinei tanto, mas é muito em busca de ficar com a cabeça fresca, a cuca legal.

Nesta quinta-feira (21), ela fez uma postagem celebrando seu retorno ao carnaval, depois de uma viagem em família e com amigos a Miami, nos Estados Unidos.

“#tbt pra comemorar a volta do Carnaval e o coração até acelera diferente, uma energia surreal quando lembro da sensação que é pisar na Sapucaí!! Esse ano vou assistir esse grande espetáculo no Nosso Camarote, torcendo e celebrando cada momento que se torna único a cada ano que passa!!! Essa emoção é até difícil mensurar ou colocar em palavras. Vocês nem imaginam a felicidade que eu tô sentindo!! Viva o Carnaval e um parabéns pra todos que fazem essa magia acontecer!!!”, escreveu na legenda de três fotos em que aparece divando.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos