Juliano Cazarré posa ao lado da filha em hospital e ora pela recuperação da recém-nascida

O ator Juliano Cazarré comoveu os seguidores de suas redes sociais ao postar, neste sábado (7), uma foto nos hospital com a filha Maria Guilhermina, que nasceu com um problema no coração e está internada há seis meses na UTI de um hospital em São Paulo.

Na legenda, Cazarré escreveu uma oração pedindo pela recuperação da filha e pelo Brasil: "Virgem Santíssima e Mãe das Dores, nós Vos pedimos que junteis os Vossos rogos aos nossos, a fim de que Jesus, Vosso Divino Filho, a quem nos dirigimos em nome das Vossas lágrimas de Mãe, ouça as nossas preces e nos conceda, com as graças que desejamos, a coroa da vida eterna. Dai-nos, Mãe Santíssima, por vossa intercessão, a graça da saúde e da recuperação da nossa Maria Guilhermina, que é nomeada em homenagem a vós. Que ela cresça e possa viver uma vida com saúde e autonomia, cheia de amor por Cristo, por ti, Santa Virgem , por São José e pela Santa Igreja. Rogai também, Mãe Dolorosa, pelo Brasil."

Uma enxurrada de famosos prestou solidariedade ao ator através dos comentários, entre eles Marcio Garcia, Beth Goulart, Isabel Teixeira, Matheus Nachtergaele e Tata Werneck. A cantora Ivete Sangalo escreveu: "Estamos em oração". Elba Ramalho também se manifestou: "'Oração do Terço das Lágrimas de Sangue'. Poderoso. Amém".

'Venceu batalha': ator mirim de 'Pantanal' tem recuperação total quatro meses após atropelamento

No Palácio da Alvorada: obra de Di Cavalcanti que Janja diz estar danificada vale cerca de R$ 5 milhões

Alvo de operação policial: às vésperas de lançar disco, Orochi rebate críticas e nega marketing

Entenda o problema de saúde da filha de Juliano Cazarré

Filha de Juliano Cazarré e da stylist Letícia Cazarré, Maria Guilhermina nasceu com anomalia de Ebstein, doença rara que afeta uma a cada 20 mil crianças. A bebê já passou por pelo menos duas cirurgias no coração.

A cardiopatia afeta a válvula tricúspide, responsável por separar o átrio direito do ventrículo direito do coração. Essa estrutura é considerada a "porta de entrada" do coração, pois permite que o sangue venoso (que já oxigenou o organismo) retorne ao coração. O sangue entra pelo átrio direito, passa pela válvula tricúspide, vai para o ventrículo direito, onde é bombeado para o coração para ser oxigenado novamente.

Na anomalia de Ebstein, a válvula tricúspide fica abaixo do normal, já "dentro" do ventrículo direito. Isso faz com que uma porção do ventrículo se torne parte do átrio, fazendo com que o átrio direito aumente de tamanho e não funcione adequadamente. Além disso, as estruturas da válvula tricúspide têm formato anormal, o que pode levar ao refluxo de sangue para o átrio.