Junta de Mianmar é criticada pela execução de 4 ativistas pela democracia

Kyaw Min Yu e Phyo Zeyar Thaw, dois dos quatro ativistas pró-democracia executados pela junta militar que comanda Mianmar

(Reuters) - Os militares que governam Mianmar anunciaram nesta segunda-feira que executaram quatro ativistas pela democracia acusados ​​de ajudar a realizar "atos terroristas", provocando uma condenação generalizada das primeiras execuções no país do sudeste asiático em décadas.

Condenados à morte em julgamentos a portas fechadas em janeiro e abril, os homens foram acusados ​​de ajudar um movimento de resistência para combater o Exército que tomou o poder em um golpe no ano passado e desencadeou uma repressão sangrenta contra seus oponentes.

O Governo de Unidade Nacional de Mianmar (NUG), uma administração paralela banida pela junta, pediu uma ação internacional contra os militares.

"A comunidade global precisa punir sua crueldade", disse Kyaw Zaw, porta-voz do gabinete do presidente do NUG, à Reuters em mensagem de texto.

Entre os executados estavam o ativista pela democracia Kyaw Min Yu, mais conhecido como Jimmy, e o ex-parlamentar e artista de hip-hop Phyo Zeya Thaw, disse o jornal Global New Light of Myanmar.

Kyaw Min Yu, de 53 anos, e Phyo Zeya Thaw, aliado de 41 anos da líder deposta Aung San Suu Kyi, perderam seus recursos contra as sentenças em junho. Os outros dois executados foram Hla Myo Aung e Aung Thura Zaw.

“Essas execuções equivalem à privação arbitrária de vidas e são outro exemplo do histórico atroz de direitos humanos de Mianmar”, disse Erwin Van Der Borght, diretor regional do grupo de direitos humanos Anistia Internacional.

"Os quatro homens foram condenados por um tribunal militar em julgamentos altamente secretos e profundamente injustos."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos