Juro real da NTN-B de 5 anos bate máxima desde 2016

SÃO PAULO (Reuters) - A taxa real de juros de títulos públicos corrigidos pela inflação (NTN-B) com vencimento médio de cinco anos e negociados no mercado secundário tem rondado os maiores patamares desde o fim de 2016, reflexo do maior prêmio de risco embutido por investidores receosos sobre as perspectivas para o Brasil em ano eleitoral.

A taxa real estava em 6,222% ao ano nesta sexta-feira, depois de bater na véspera 6,26%, máxima desde os 6,36% de 15 de dezembro de 2016, época em que os juros reais vinham em queda em meio ao processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

A alta do juro real pago pelos títulos no Brasil é dramática, e a taxa vem em elevação desde agosto de 2020. No dia 7 daquele mês, o rendimento real da NTN-B de cinco anos bateu 1,11% ao ano no mercado secundário, menor valor desde pelo menos 2006, segundo dados da Refinitiv, apenas dois dias depois de o Banco Central cortar a Selic para 2%, uma mínima histórica.

"Entendo que há muitas notícias ruins no horizonte, mas... não acho que seja para tanto", disse André Perfeito, economista-chefe da Necton, para quem o juro real "muito provavelmente" alcançou um pico.

"Contudo, não me sinto ainda confortável em apontar quando deve cair a taxa, e o motivo é trivial. Assumindo que o cenário fique estável me preocupa a dinâmica política no Brasil, onde o Palácio do Planalto jogou todas as fichas nos auxílios à população. E se os resultados das pesquisas não melhorarem? Devemos esperar alguma outra medida do governo?", questionou o economista.

(Por José de Castro; edição de Bernardo Caram)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos