Juros sobem pelo terceiro mês, e crédito às empresas cai em agosto, diz BC

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 25-04-2013 - Banco Central no Setor Bancário Sul, em Brasília (DF). (Foto: Sergio Lima/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 25-04-2013 - Banco Central no Setor Bancário Sul, em Brasília (DF). (Foto: Sergio Lima/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Os juros cobrados pelos bancos em empréstimos subiram pelo terceiro mês consecutivo e alcançaram 21,1% em agosto, com elevação de 0,7 ponto percentual em relação a julho. Este é o maior percentual desde abril de 2020.

Os dados foram divulgados pelo BC (Banco Central) nesta segunda-feira (27). Com a alta da taxa básica de juros (Selic), que está em 6,25% ao ano e deve encerrar 2021 acima de 8%, a tendência é que o valor cobrado em novos financiamentos permaneça em crescimento.

Para empresas, os juros chegaram a 14,4% em agosto, alta de 0,8 ponto percentual em relação a julho e maior percentual desde janeiro de 2020.

No período, houve alta em modalidades importantes para os empreendimentos, como capital de giro (que responde pela maior parte do volume concedido para as companhias), com alta de 0,6 ponto percentual, antecipação de recebíveis, com 0,7 ponto, e desconto de duplicatas, 0,3 ponto.

Na linha de capital de giro de curto prazo, com prazo abaixo de 365 dias, o aumento nos juros foi de 2 pontos percentuais em relação a julho.

Para as famílias, os juros chegaram a 25,3%, 0,6% maior que no mês anterior.

Em 12 meses, os juros para empresas subiram 3,7 pontos percentuais e para famílias, 1,3. Ao todo, a alta foi de 2,5 pontos no acumulado.

Em contrapartida, o spread -diferença entre a taxa de captação dos bancos e o que eles cobram em empréstimos- caiu 0,1 ponto percentual no mês e ficou em 14,5%.

Em agosto, os novos empréstimos somaram R$ 431,8 bilhões, redução de 2,1% em relação ao mês anterior. A queda foi puxada por empresas, com 3,5%. Segundo o BC, a redução se deve à desaceleração de financiamentos pelo Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), que teve alto volume em julho.

Para as famílias, houve alta de 0,5% na concessão de crédito.

O saldo de crédito, que é todo o montante emprestado no sistema financeiro, chegou a R$ 4,3 trilhões, aumento de 1,5% em relação a julho e o maior valor da série.

O estoque de financiamentos atingiu a marca de R$ 4 trilhões pela primeira vez na história em dezembro do ano passado, impulsionado principalmente por programas do governo para crédito às pequenas e médias empresas em meio à pandemia.

A inadimplência permaneceu estável pelo quarto mês, em 2,3%. Em 12 meses, no entanto, houve queda de 0,3 ponto percentual.

Na pandemia, a inadimplência alcançou os menores níveis da história. A avaliação é que o auxílio emergencial e renegociações das parcelas de empréstimos promovidas pelos bancos durante a pandemia evitaram os calotes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos