Justiça determina que Alexandre Nardoni deve voltar para o regime fechado

Alexandre Nardoni volta ao regime fechado - Foto: Grizar Junior/Futura Press

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Ele será submetido a “teste do borrão de tinta”

  • Anna Carolina Jatobá cumpre a pena em regime semiaberto desde 2017

Alexandre Nardoni, que estava em regime semiaberto há quatro meses, vai voltar ao regime fechado por determinação do Tribunal de Justiça de São Paulo. A corte não detalha se a decisão desta terça-feira (13) interfere na saída de Dia dos Pais concedida ao detento desde a última quinta-feira (8).

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO INSTAGRAM

Nardoni foi condenado a 30 anos de prisão pela morte da filha Isabella, de cinco anos, que morreu em após cair da janela do apartamento do pai, em São Paulo, em março de 2008. Ele está preso na P2 de Tremembé, conhecida por abrigar casos de grande repercussão. A esposa de Alexandre, Anna Carolina Jatobá, também condenada pelo crime, cumpre a pena em regime semiaberto desde 2017.

Leia também

A 4ª Câmara de Direito Criminal do TJ determinou que Nardoni deve ser submetido ao Teste de Rorschach, mais conhecido como “teste do borrão de tinta”, para identificar se ele está apto ao convívio em sociedade, e se ele está propenso a cometer crimes novamente. O Tribunal afirma que o teste deve ser realizado com urgência.

O desembargador Euvaldo Chaib afirma que a análise psiquiátrica do detento é necessária porque ele ainda insiste na afirmação de que a morte da filha foi praticada por uma terceira pessoa que estava presente no apartamento, tratando o episódio como uma tragédia familiar.

Para o relator do caso, Luís Soares de Mello, o fato de ele ter cumprido o tempo necessário para a progressão de pena não é suficiente para conceder o semiaberto: "Tratando-se de delito hediondo, verdadeiramente nefasto, com penas altas a descontar, toda prudência será necessária para colocar-se o cidadão de volta ao convívio social. O caso, enfim, recomenda cautela de modo que o regresso do agravante ao seio social deve ser feito com toda a prudência possível", afirmou o relator Luís Soares de Mello.

A defesa de Nardoni afirma que vai recorrer da decisão. "Infelizmente a decisão do Tribunal foi contrária a toda jurisprudência já definida sobre o tema. Mas em se tratando do caso Nardoni, o peso midiático mais uma vez interferiu na decisão", disse o advogado Roberto Podval.