Justiça argentina decreta prisão preventiva de acusados de atentado contra Kirchner

Policiais fazem guarda diante da casa da vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, após tentativa fracassada de assassinato. REUTERS/Agustin Marcarian/Arquivo

A Justiça argentina acusou nesta quinta-feira os dois principais réus pelo ataque armado frustrado contra a vice-presidente Cristina Kirchner, decretando a prisão preventiva dos dois pela tentativa de assassinato ocorrida no início de setembro, informou a imprensa local.

Fernando Sabag Montiel e sua namorada Brenda Uliarte foram acusados pela juíza María Eugenia Capuchetti de tentativa de homicídio, segundo o site Infobae.com e o jornal La Nación.

O incidente ocorreu em 1º de setembro na entrada da casa de Kirchner, na região central de Buenos Aires, onde Sabag Montiel se aproximou da poderosa autoridade, que cumprimentava militantes peronistas, e disparou sua pistola carregada a centímetros de sua cabeça. As balas não saíram da arma e o agressor foi preso.

"Sinto que estou viva por causa de Deus", disse a vice-presidente na quinta-feira ao reaparecer em público, em uma reunião com representantes religiosos.

"O mais grave não é o que poderia ter acontecido comigo, o mais grave foi a quebra do acordo social que existia desde 1983", disse ela, em referência ao ano em que o país recuperou a democracia após o sangrento período de ditadura.

Até agora, as autoridades prenderam quatro acusados de participar do ataque a Kirchner, que governou o país entre 2007 e 2015.

O tribunal responsável pelo caso não respondeu imediatamente ao cont contato da Reuters.

(Reportagem de Nicolás Misculin)

((Tradução Redação São Paulo)

REUTERS PB