Justiça atende parecer do MP contra prisão do 'Faraó dos Bitcoins' por tentativa de homicídio de investidor

·3 min de leitura

RIO — A Justiça do Rio decidiu não decretar a prisão preventiva de Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó dos Bitcoins", pela tentativa de homicídio contra o investidor Nilson Alves da Silva, de 44 anos. A decisão, de sexta-feira, atende ao parecer do Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ) do último dia 2, onde o órgão se manifestou de forma contrária à prisão, alegando que ainda não havia sido realizadas diligências suficientes para o indiciamento.

Glaidson está preso e é réu, ao lado de outros 16 comparsas, por crimes contra o sistema financeiro nacional, entre outros delitos. Ele é acusado de montar uma pirâmide financeira disfarçada de investimentos de bitcoins, especialmente na Região dos Lagos, onde arrecadou pelo menos R$ 38 bilhões.

Decreto:Prefeitura do Rio regulamenta as rodas de samba em espaços públicos da cidade

"O Ministério Público não endossou a representação da autoridade policial pela decretação da prisão preventiva de GLAIDSON ACÁCIO DOS SANTOS, THIAGO REIS e RODRIGO MOREIRA e, inexistindo pretensão prisional por parte do órgão ministerial, mister se faz refutá-la de plano, sem maiores análises de mérito prisional", diz a decisão da juíza Janaina Pereira Pomposelli, de Cabo Frio.

Bala perdida:Idoso de 76 anos fica ferido durante troca de tiros no bairro KM 32, em Nova Iguaçu

Thiago Reis é acusado pela Polícia Civil de ter contratado os executores do crime, enquanto Rodrigo Moreira de ter sido um dos contratados por Glaidson para a execução.

A decisão judicial também estabelece a prisão temporária de Rafael Marques Gregorio e a prorrogação da prisão de Chingler Lopes Lima, ambos por 30 dias. Fabio Natan do Nascismento também teve a prisão temporária mantida. Os três são acusados de participarem diretamente do atentado.

"PRORROGO A PRISÃO TEMPORÁRIA de CHINGLER LOPES LIMA, assim como DECRETO A PRISÃO TEMPORÁRIA de RAFAEL MARQUES GREGORIO VIANA, ambas pelo prazo de 30 (trinta) dias (...) assim como mantenho a decretação da prisão temporária de FABIO NATAN DO NASCIMENTO, nos termos da decisão anterior", diz outro trecho do documento.

Fabio e Chingler também são acusados da morte do investidor Wesley Pessano Santarém, em agosto, em São Pedro da Aldeia, também na Região dos Lagos. O rapaz, de 19 anos, foi executado em um Porsche avaliado em R$ 440 mil. Segundo a Polícia Civil, as investigações prosseguem para identificar se Glaidson também foi o mandante do assassinato de Pessano, que se apresentava nas redes sociais como investidor de criptomoedas.

O caso

Nilson Alves da Silva acabou sobrevivendo ao ataque que sofreu em 20 de março de 2021, por volta das 11h30 da manhã. Ele passava de carro pela Rua Maestro Braz Guimarães, no bairro Braga, em Cabo Frio, quando, ao parar em um sinal, a BMW X6 que ele ocupava, e que pode custar mais de R$ 600 mil, foi atingida por vários disparos vindos de um carro que emparelhou, ocupado por homens encapuzados.

Baleada no pescoço, a vítima foi socorrida para o Hospital Central de Emergência (HCE) e, depois, transferida para uma unidade particular, onde chegou a passar vários dias em estado grave na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

A 126ª DP (Cabo Frio) concluiu que Glaidson foi o mentor intelectual do atentado contra Nilson, que também atua no ramo de investimentos com criptomoedas. Segundo a investigação, comandanda pelo delegado Carlos Eduardo Almeida, o ex-garçom encomendou a morte depois que a vítima "espalhou a notícia" de que ele seria preso pela Polícia Federal (PF), aconselhando clientes a retirarem valores aportados junto à GAS Consultoria, empresa de Glaidson.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos