Justiça concede prisão domiciliar ao ex-médico Roger Abdelmassih

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO. A juíza Sueli Zeraik, da Vara de Execuções Criminais (VEC) de Tremembé, concedeu nesta quarta-feira prisão domiciliar ao ex-médico Roger Abdelmassih. O ex-médico tentava desde março de 2020 reverter a decisão que o mandou retornar à cadeia.

Abdelmassih foi condenado a mais de 173 anos de prisão pelo estupro de pacientes. Ainda não há prazo para que ele deixe o hospital penitenciário, onde está internado, em São Paulo.

No despacho, a juíza aponta que Abdelmassih tem estado delicado de saúde e necessita de cuidados constantes que não seriam possíveis na unidade prisional.

“Está evidenciado nos autos que o sentenciado em questão conta com setenta e seis anos de idade, apresenta quadro clinico bastante debilitado, experimenta atualmente considerável piora em seu estado de saúde, necessita de cuidados ininterruptos, medicação constante e em horários diversificados, exames frequentes e específicos, assim como alimentação especial e vigilância contínua, tanto da área médica como de enfermagem”, escreveu a juíza.

Para o benefício, incluiu como exigência a permanência constante em seu endereço, com avisos prévios de saídas para atendimento médico; uso de tornozeleira eletrônica e perícia médica a cada seis meses.

O ex-médico chegou a receber o benefício da prisão domiciliar em abril de 2020 por ser considerado integrante do grupo de risco de contrair o coronavírus. No entanto, a decisão que concedia o benefício a ele foi revogada em agosto pelo Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos