Justiça condena acusado de matar filho de Carlinhos de Jesus no Rio

MARTHA ALVES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O policial militar Miguel Ângelo da Silva Medeiros foi condenado na noite desta quinta-feira (16) pela morte do músico Carlos Eduardo Mendes de Jesus, o Dudu, filho do coreógrafo Carlinhos de Jesus, no Rio. Ele cumprirá pena de 16 anos e quatro meses de prisão pelo crime e perderá o cargo de PM.

Outro policial militar, André Pedrosa dos Santos, que teria informado a localização de Dudu ao assassino, foi absolvido pelos jurados que entenderam que não havia provas para incriminá-lo. A prisão preventiva de Santos foi revogada.

Outros quatro acusados de participação no crime ainda serão julgados. São eles Magno Carmo Pereira, Wellington do Carmo Ferreira, Marlon Soares Pinheiro e Evandro Silva de Souza.

Os familiares de Dudu acompanharam os dois dias de julgamento. Após a leitura da sentença, Carlinhos de Jesus, chorando, abraçou a mulher e a filha.

"Eu perdi meu filho. Eu rogo a Deus que vocês vivam bastante para que amarguem a dor do arrependimento", disse emocionado o coreógrafo.

Após o julgamento, Carlinhos de Jesus ainda postou uma mensagem em uma rede social. "Acabou o julgamento dos 2 primeiros acusados da morte do meu filho: Um condenado e outro absolvido! É só o começo!".

O CRIME

Dudu foi morto a tiros na madrugada de 19 de novembro de 2011 quando deixava o Boteco Carioca, em Realengo, na zona oeste do Rio. Segundo a denúncia, Medeiros foi o autor dos oito tiros efetuados contra o músico.

A vítima tinha acabado de realizar um show com sua banda "Samba Firme" e guardava os instrumentos com a namorada e um amigo no carro quando foi baleado. Ele chegou a ser levado para o hospital estadual Albert Schweitzer, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Durante a investigação, a polícia civil apurou que integrantes da banda de Dudu se envolveram em uma briga com um PM em uma festa.

Os policiais também descobriram que o músico se encontrou com a ex-namorada Bruna dos Santos Florêncio Pereira em um bar quando ela estava acompanhada do namorado PM Marlon Soares Pinheiro, também acusado de participação no crime.