Líder de grupo afim ao EI é condenado a 7 anos de prisão na Indonésia

Jacarta, 12 fev (EFE).- O líder de uma organização nacional leal ao Estado Islâmico (EI) foi condenado a sete anos de prisão na Indonésia por tentar estabelecer um acampamento jihadista neste país e comprar armas na Filipinas.

O tribunal determinou que o acusado, Zainal Anshori, viajou para o norte da ilha de Celebes, ao sul da Filipinas, para recolher um carga de armas que incluía rifles automáticos.

A Promotoria tinha solicitado 10 anos de prisão pelo crime de terrorismo para o acusado, detido em abril do ano passado e um dos fundadores do Jamaah Ansharut Daulah (JAD), um dos grupos radicais mais ativos na Indonésia.

Zainal Hassan, seu irmão, que também viajou para Celebres, recebeu uma pena de cinco anos de prisão.

As autoridades indonésias responsabilizaram o JAD pelos atentados mais graves nos últimos dois anos no país, como o duplo ataque suicida realizado em uma rodoviária de Jacarta em maio de 2017 que matou três policiais.

O JAD surgiu em 2015 sob a tutela ideológica de Amam Abdurrahman, que cumpre pena de prisão por terrorismo, e em janeiro de 2017 o Departamento de Estado dos EUA o classificou como uma organização "terrorista global".

A diretora do Instituto de Análise de Políticas em Conflito (IPAC), Sydney Jones, declarou hoje à Efe que as células do JAD começaram a atuar de forma independente após a detenção em 2017 de seu líder, Anshori.EFE