Justiça converte em preventiva a prisão de PM acusado de atirar contra militar do Exército

O Tribunal de Justiça converteu a prisão do policial militar David Trancoso Daniel em preventiva. O PM é acusado de tentativa de homicídio por balear o soldado Willamins Cardoso da Silva após uma confusão em uma boate de Piedade, na Zona Norte do Rio, na madrugada desta sexta-feira. De acordo com a Polícia Civil, a briga teria começado após os agentes do Exército terem abordado uma mulher.

'Selvageria': Homem acusado de tentativa de feminicídio já tinha agredido mãe, avó e padrasto da vítima

Tiro no ombro: Bala perdida fere mulher no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, na Região Metropolitana

Na decisão, o juiz Rafael de Almeida Rezende entendeu que a manutenção da prisão é necessária para a garantia da ordem pública, conveniência da instrução criminal e aplicação da lei penal. O magistrado ainda afirma que as imagens das câmeras de segurança do local corroboram o que as testemunhas disseram na delegacia.

"É possível verificar pela gravação das câmeras de segurança o momento em que o custodiado se se dirige até o local de cautela da boate, com um cigarro e um copo que aparenta ser de bebida alcoólica, pega a sua arma, sai do estabelecimento e vai em direção ao grupo, efetuando disparos de arma de fogo mesmo quando a confusão já estava sendo apartada por populares e seguranças", diz trecho da decisão.

Em outro trecho da decisão, Almeida afirma que a prisão do PM também é necessária para garantir que as testemunhas não sejam influenciadas "negativamente" ao prestar os esclarecimentos necessários ou que sejam intimidadas ou constrangidas durante a investigação. O juiz ainda afirma que nos autos do processo não foi incluído o endereço do policial militar ou a comprovação que ele exerce uma ocupação lícita.

Durante a audiência de custódia a defesa do PM pediu a liberdade do policial e alegou que ele agiu em legítima defesa ao intervir na briga.

Violência: Metralhado em BMW blindada atingida por mais de 80 tiros foi morto com disparos na cabeça, peito e braços

Foi tudo gravado: Polícia procura oito bandidos que tentaram roubar caminhão no Rio; vídeo

De acordo com a Polícia Civil, a briga teria começado após os agentes do Exército terem abordado uma mulher. Após o desentendimento, os envolvidos foram expulsos da festa, que acontecia no Espaço de Evento Fábrica 40 Graus, na Rua Manoel Vitorino. O PM então foi até a sala de acautelamento, pegou uma pistola Glock .40 e efetuou disparo para dispersar a confusão. Ainda segundo os agentes, os militares teriam ido para cima de David, que atirou outras duas vezes. Um dos tiros acabou atingindo a cabeça de Willamins.

O soldado do Exército foi levado para o Hospital Pasteur, no Méier, e precisou passar por uma cirurgia. Após a confusão, o PM se apresentou na 24ª DP (Piedade) e em seguida foi levado para a 21ª DP (Bonsucesso), onde é a Central de Flagrantes. Ele depôs e foi preso em flagrante por tentativa de homicídio.

Na quarta-feira, um outro episódio envolvendo PMs terminou com uma pessoa ferida. Depois de uma fechada no trânsito, dois policiais se desentenderam. Um deles sacou a arma e atingiu o colega na cabeça. Os dois são lotados no 2º BPM (Botafogo). De acordo com o agente que atirou, ele disparou após ver o outro militar sacando a arma e pensar que seria morto. O PM ferido confirmou que sacou a pistola primeiro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos