Justiça decreta prisão preventiva de suspeito de matar japonesa encontrada perto da casa de João de Deus

O Globo
·1 minuto de leitura

RIO — O Tribunal de Justiça do Estado de Goiás decretou nesta quarta-feira (18) a prisão preventiva do homem suspeito de matar a cidadã japonesa cujo corpo foi encontrado em uma cachoeira em Abadiânia (GO), a 80 quilômetros de Goiânia.

A área onde ela foi encontrada, na segunda-feira (16), faz parte do complexo de propriedades que pertence à Casa Dom Inácio de Loyola, de João Teixeira de Faria, o médium conhecido como João de Deus. A polícia informou que ele não teria qualquer ligação com o caso.

Segundo as investigações, Hitomi Akamatsu, de 43 anos, foi morta na terça-feira da semana passada. O suspeito, de 18 anos, foi preso em flagrante na segunda-feira (16), por volta das 16h. Ele foi localizado pela polícia após a análise de câmeras instaladas nas ruas próximas ao local onde o corpo foi encontrado.

De acordo com a ata de audiência de custódia, o suspeito "narrou os fatos com riqueza de detalhes". Ele disse que devia aproximadamente R$ 670 em drogas, e que ao ser cobrado decidiu praticar o roubo para pagar parte do valor. O homem viu a mulher tomando banho em uma cachoeira, revistou seus pertences, mas não encontrou nada de valor. Ao se aproximar e ver que ela não falava português acreditou que seria denunciado e resolveu matá-la. Ele também teria informado que a enforcou com a própria camisa.