Justiça determina que Bibo Nunes tire do ar vídeo no qual diz que estudantes devem ser queimados vivos

A Justiça do Rio Grande do Sul acatou, nesta segunda-feira, um pedido de medida cautelar da União Nacional dos Estudantes (UNE) contra o deputado federal Bibo Nunes (PL) por conta do vídeo no qual o parlamentar diz que estudantes de universidades federais merecem ser "queimados vivos". A decisão determina a retirada da gravação do ar. No momento, o vídeo não pode mais ser encontrado nas redes do deputado.

Vídeo: deputado Bibo Nunes diz que alunos de universidade federal merecem ser queimados vivos

Sonar: após decisão do TSE desativar grupos com mensagens golpistas, usuários migram para ICQ, plataforma dos anos 90

Na decisão, o juiz Michel Martins Arjona, da 3ª Vara Cível da Comarca de Santa Maria, constata calúnia e difamação nas frases ditas pelo deputado em uma live datada de meados de outubro.

No trecho, Bibo Nunes criticava alunos da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) que protestaram contra o corte de verbas nas instituições de ensino superior.

— Ser rico não é problema. Mas ser rico e não ter noção, ser uns coitadinhos [sic]. É o filme "Tropa de Elite". Sabe o que aconteceu lá? Olha o filme um. Pegaram aqueles riquinhos ajudando pobres, se deram mal, queimados vivos dentro de pneus. É isso que estes estudantes alienados filhos de papai que tem grana merecem — vociferou o deputado.

"É possível extrair do vídeo que o deputado federal promove inúmeras ofensas aos estudantes da UFSM e da UFPEL, ao chamá-los de "inúteis", "alienados", "miseráveis", 'escória do mundo', 'vergonha', 'parasitas', 'fracassados', dentre outros, difamando-os (...) Constata-se também que promove calúnia, ao dizer que os estudantes compram drogas de traficantes de armas", escreveu o juiz Arjona.

A UNE pede ainda uma indenização de R$ 50 mil em danos morais a ser destinada a órgãos oficiais de proteção à criança, jovens e adolescentes.

Na época, a declaração de Nunes foi alvo de críticas do reitor da UFSM, Paulo Burmann:

— É um ataque arrogante, carregado de ódio, sem nenhum sentimento humano. Propositadamente ataca a instituição, seus servidores, gestores e seus estudantes sem nenhum conhecimento de causa — disse Burmann, em vídeo no Instagram.