Justiça determina que inquérito sobre morte de tesoureiro do PT volte para Polícia Civil

O juiz Gustavo Arguello, da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu (PR), determinou o retorno à Polícia Civil do inquérito que apura a morte do tesoureiro do PT Marcelo Arruda pelo policial penal federal Jorge Guaranho. A informação é do G1.

Entenda: Polícia do Paraná diz que não há previsão legal para enquadrar morte de tesoureiro do PT como crime político

Levantamento: Episódios de violência contra lideranças políticas aumentam 23% em 2022

O inquérito foi concluído na semana passada. Guaranho foi indiciado por homicídio qualificado por motivo torpe. Porém, após pedidos do Ministério Público do Paraná e da família de Arruda, o magistrado determinou à polícia o cumprimento de novas diligências.

O crime aconteceu na noite de 9 de julho. Arruda foi morto a tiros na própria festa de aniversário de 50 anos, que tinha como temas o PT e o ex-presidente Lula.

O promotor Tiago Lisboa cita a necessidade de buscar imagens de câmeras de segurança que possam ter registrado trajeto feito pelo policial penal no dia do assassinato. E que, caso haja imagens, o conteúdo seja enviado ao Instituto de Criminalística para perícia. O MP cobrou urgência no cumprimento das diligências.

A Polícia Civil do Paraná concluiu o inquérito na semana passada e descartou motivação política no assassinato do tesoureiro do PT. Em nota, a instituição alegou que não há previsão legal para o enquadramento como “crime político”, já que a antiga Lei de Segurança Nacional foi revogada pela nova Lei de Crimes contra o Estado Democrático de Direito, que não possui qualquer tipo penal aplicável.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos