Justiça dos EUA acusa brasileiro de roubar documentos de identidade na dark web

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos acusou nesta sexta-feira Caio Felipe Oliveira Dos Santos, de 27 anos, por fraude eletrônica e roubo de identidade. Conforme a denúncia, o brasileiro usava a dark web para encontrar documentos das vítimas e utilizar os dados para abrir contas de motoristas com empresas de serviços de transporte e entrega.

Resultado das eleições: veja a votação para presidente por municípios

Candidato derrotado: Silêncio de Bolsonaro após vitória de Lula repercute na imprensa internacional

Santos era morador de Fall River, no estado de Massachusetts, e será julgado por um júri federal em Boston.

De acordo com a acusação, Santos fazia parte de uma quadrilha que usava as identidades roubadas e documentos falsificados para abrir contas fraudulentas de motoristas. Essas contas eram alugadas ou vendidas para pessoas que não estavam qualificadas para este tipo de trabalho.

Dessa forma, o grupo criminoso conseguia passar pelas verificações de antecedentes exigidas pelas empresas e criava contas de motorista em nome das vítimas.

Presidente dos EUA: Biden telefona para Lula e ressalta a 'força das instituições democráticas' do Brasil

"Santos e seus comparsas supostamente obtiveram os nomes das vítimas, datas de nascimento, informações da carteira de motorista e/ou números do seguro social em sites na Dark Net", afirma o Departamento de Justiça.

Ao todo, 18 pessoas já foram denunciadas nesta investigação. Entre elas, o baiano Wemerson Dutra Aguiar, de 29 anos, que se declarou culpado durante audiência no Tribunal Federal de Boston.

Aguiar admitiu que obteve carteiras de motorista e números de Previdência Social na DarkNet. Ele também assumiu que pagou a comparsas para alterar fotos das habilitações. A alteração visava a burlar a tecnologia de reconhecimento facial que as empresas de caronas e entregas usavam como medida de segurança.

De acordo com as investigações, Aguiar anunciava a venda ou aluguel das contas fraudulentas para brasileiros que moram nos Estados Unidos. A propaganda era feita por meio de grupos de WhatsApp e de boca em boca.

Dos 18 acusados, 15 foram presos enquanto três continuam foragidos.