Justiça dos EUA rejeita novo pedido de fiança de filho do ex-presidente do Panamá

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Imagem disponibilizada pelo Ministério do Interior da Guatema mostra Luis Enrique Martinelli (cen.), filho do ex-presidente do Panamá Ricardo Martinelli, escoltado pela polícia antes de sua extradição aos EUA, em 15 de novembro de 2021 (AFP/-)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A Justiça americana voltou negar nesta terça-feira (23) a liberdade mediante pagamento de fiança para Luis Enrique Martinelli, filho do ex-presidente do Panamá Ricardo Martinelli, extraditado aos Estados Unidos sob a acusação de lavagem de dinheiro no caso Odebrecht.

Em audiência por videoconferência no tribunal federal do Brooklyn, da qual não participou o acusado, o juiz Raymond J. Dearie rechaçou o novo pedido da defesa para que o réu pudesse aguardar o julgamento em liberdade.

"A liberdade mediante pagamento de fiança não significa uma retribuição", afirmou o juiz, depois que a defesa expôs uma série de ações e promessas de Martinelli, como a de que ele estaria disposto a entregar todos os seus passaportes às autoridades americanas para demonstrar sua disposição de comparecer aos tribunais e não fugir do país.

A Justiça dos EUA acusa Luis Enrique Martinelli, de 39 anos, e seu irmão Ricardo Alberto, de 42, que segue detido na Guatemala à espera de ser extraditado, de receber cerca de 28 milhões de dólares da construtora brasileira Odebrecht, 19 dos quais transitaram por contas sob jurisdição dos EUA, antes de serem transferidos para outros países, principalmente a Suíça.

Os irmãos Martinelli foram detidos em 6 de julho de 2020 no aeroporto internacional da Guatemala quando tentavam viajar ao Panamá.

A extradição de Luis Enrique Martinelli foi aprovada pela Justiça guatemalteca em maio, enquanto a de seu irmão foi autorizada no início deste mês, mas pode levar algum tempo até que seja concretizada.

Além disso, os irmãos Martinelli eram requisitados pela Justiça panamenha por um escândalo de corrupção que também está relacionado com pagamento de propina em troca da concessão de obras públicas, conhecido como "Blue Apple".

af/lda/rpr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos