Justiça de El Salvador absolve jovem que deu à luz um bebê morto e foi acusada de abortar

Andréa Martinelli
Evelyn Hernández, condenada a 30 anos de prisão por um suposto aborto, durante audiência de seu caso em Ciudad Delgado, em El Salvador.

Um tribunal salvadorenho absolveu, nesta segunda-feira (19), uma jovem condenada há 30 anos de prisão por homicídio qualificado, após ser acusada de “assassinar seu filho recém-nascido” após o parto.

“Obrigado por estar aqui, graças a Deus a justiça foi feita”, disse a acusada Evelyn Hernandez, de 21 anos, depois de ouvir o veredicto, segundo a Reuters.

Até o julgamento desta segunda, Hernandez já havia cumprido três anos da sentença, depois que os promotores defenderam perante a corte que ela havia induzido um aborto. Na época, a mãe da moça foi acusada de ser cúmplice.

“Todos esses momentos foram difíceis. Eles me acusaram de algo que eu era inocente”, acrescentou, ao pedir também pela libertação de outras mulheres que, assim como ela, são presas acusadas de aborto. “Há muitas garotas lá (eu peço) que precisam sair logo”, disse, segundo a agência. 

El Salvador é um dos seis países do mundo que proíbe o aborto em qualquer ocasião. No país, a prática é punida com 8 anos de prisão mas, de forma rotineira, jovens que escolhem pelo procedimento de forma ilegal são acusadas de homícidio agravado, que é punido com 30 anos de encarceramento.

Mas e no Brasil?

Em 2017, foram feitos 1.636 abortos legais no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde. Não há números oficiais da ilegalidade, mas algumas estimativas. Naquele ano, foram registrados procedimentos pós-abortamentos que somam 190.510 internações. Médicos avaliam que dois terços desse total sejam consequência de abortos ilegais.

Já de acordo com a Pesquisa Nacional de Aborto (PNA) 2016, quase uma em cada 5 brasileiras aos 40 anos já realizou, pelo menos, um aborto. Em 2015, foram, aproximadamente, 416 mil mulheres. Como o levantamento foi apenas na área urbana, a estimativa, somando todas as regiões, é de 503 mil abortos naquele ano. 

Quanto ao número de mortes, o aborto é a quinta causa de morte materna no País, segundo o Ministério da Saúde....

Continue a ler no HuffPost